Mercado

Atlântico já negoceia títulos do Estado na bolsa

03/09/2015 - 10:27, Banca, Banca

O chairman do Atlântico, Carlos Silva, já assinou o acordo que põe o banco na BODIVA.

Por André Samuel

O Banco Privado Atlântico é o mais novo e sexto intermediário da Bolsa de Dívida e Valores de Angola, juntando-se a BFA, BAI, Millennnium, Standard Bank e BNI no negócio de intermediação de títulos do Estado.
O Atlântico foi submetido a supervisão presencial pela Comissão do Mercado de Capitais, que exige aos bancos candidatos como agentes de intermediação, entre vários pressupostos, um projecto de estatuto com a indicação expressa do tipo de operação a realizar. A CMC exige ainda prova de capacidade económica e financeira dos accionistas fundadores, bem como um estudo de viabilidade económica e financeira, projectado para os primeiros três anos de actividade, onde se inclui meios técnicos e humanos a envolver nas operações bolsistas, entre outras exigências.
Com a adesão à bolsa, Carlos Silva afirmou que “o mercado de capitais vai dar velocidade, em matéria de credibilidade internacional, ao nosso sistema financeiro, devido à transparência de processos que lhe é inerente”.
O volume de negociações do banco no mercado tradicional, nos últimos anos, revela o potencial para as intermediações na bolsa através do Mercado de Registo de Títulos do Tesouro.
Segundo o balanço patrimonial do Atlântico de 2014, as negociações de títulos atingiram os 43,8 mil milhões Kz, representando um aumento de 29% face ao operacionalizado em 2013.
Dos títulos negociados, apenas 577,4 milhões Kz foram disponibilizados para venda, registando o banco, dessa forma, um ligeiro recuo de quase 2% em relação aos títulos comercializados em 2013.
Já os títulos mantidos ao vencimento registaram um aumento de 29,7% ao passarem de 33,3 mil milhões Kz para 43,2 mil milhões Kz nos períodos em análise, 2013 e 2014.

Gosta deste artigo? Partilhe!

Deixe o seu comentário

You must be logged in to post a comment.