Mercado

Forte reestruturação prepara futuro do BPC

01/06/2017 - 07:49, Banca, featured

O objectivo do BPC é atingir um rácio de transformação (depósitos sobre créditos) de 70%.

O Conselho de Administração do Banco de Poupança e Crédito (BPC) decidiu executar de imediato o processo de transformação do banco público de forma a sanear a carteira de crédito e a criar condições para fortalecer a posição do Banco num futuro próximo.

A transformação do BPC passa pelo saneamento, reestruturação e recapitalização da instituição financeira. Os três processos são executados de forma integrada e guiam as decisões da gestão, seguindo as orientações estratégicas do Plano de Reestruturação e Recapitalização do Banco.

Neste quadro, o Conselho de Administração decidiu, de forma conservadora e prudente, reforçar as imparidades e provisões do Banco em 72,7 mil milhões de kwanzas no exercício de 2016, cujas contas foram ontem aprovadas pela Assembleia Geral Universal do Banco de Poupança e Crédito, S.A. Naturalmente, o reforço de imparidades e provisões teve impacto no exercício de 2016 e justifica o resultado líquido negativo de 29,5 mil milhões de kwanzas.

Esta decisão é a que melhor prepara o Banco para os desafios futuros e marca uma fase importante da sua reestruturação. O Conselho de Administração do BPC identifica 2016 e 2017 como anos decisivos para o saneamento da carteira de crédito. O objectivo do BPC é atingir um rácio de transformação (depósitos sobre créditos) de 70%.

O BPC é uma fonte incontornável do financiamento da economia de Angola e constitui um dos pilares do sistema financeiro angolano. Em 2016, o BPC registou um crescimento de 12,1% no valor dos depósitos face a 2015. A base de clientes cresceu 7,9%, reflectindo um reforço da confiança no Banco. A margem financeira e o produto bancário aumentaram 24,8% e 8,5%, respectivamente, enquanto o activo líquido cresceu 26,2% face ao ano anterior.

Estes indicadores permitem ao BPC encarar o futuro com optimismo. Após o reforço em 26,9% dos fundos próprios pelos accionistas, o Conselho de Administração do BPC continuará a executar o Plano de Recapitalização e Reestruturação sem hesitações para assegurar uma posição financeira sólida e um nível de rendibilidade sustentável e adequado ao perfil de risco do BPC.

No âmbito deste processo, as próximas fases decisivas da reestruturação do Banco passam pelo aumento do capital social por subscrição de acções ordinárias pelos accionistas, no montante de 90 mil milhões de kwanzas; a venda da Carteira Saneamento à RECREDIT por contrapartida de Obrigações do Tesouro com valor de 231 mil milhões de kwanzas, e a emissão de instrumentos de dívida subordinada convertível elegíveis para Fundos Próprios Base no valor global de 72 mil milhões de kwanzas.

O Banco de Poupança e Crédito está a adequar a sua estrutura e seus procedimentos internos para que as demonstrações financeiras de Junho de 2017 sejam já apresentadas de acordo as Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro, cumprindo este ano a adopção das normas IAS/IFRS exigidas pelo regulador.

A utilização de fundos públicos é razão mais do que determinante para que o actual Conselho de Administração encare esta situação como um desafio a vencer, em nome de todos os angolanos. O Conselho de Administração está ciente dos desafios que tem pela frente, e acredita que num contexto normal de evolução do mercado o BPC irá voltar a liderar o sistema financeiro angolano no apoio às famílias, às instituições e às empresas nacionais.

Gosta deste artigo? Partilhe!

Deixe o seu comentário

You must be logged in to post a comment.