Mercado

Protteja seguros aposta na exploração do ramo vida

06/09/2017 - 16:06, Seguros

A Protteja Seguros, caracterizada apenas pelo ramo não vida, prevê, até ao primeiro trimestre do próximo ano, comercializar produtos do ramo vida, a fim de diversificando o leque de ofertas de produto de seguros, anunciou ao Mercado o director Comercial, Pedro Galha.
Por: Estevão Martins

A companhia, segundo afirma, tenciona disponibilizar os seguros vida risco-crédito, que vão garantir, por exemplo, prémios de risco para empréstimos bancários, uma vez que se adequam ao actual situação económica do País e os seus parâmetros serem mais fáceis de serem atingidos.

Devido as suas características particulares, Pedro Galha afirma que é um ramo que obriga que os operadores a trabalhem com as tábuas de mortalidade, que são muito elevadas no País. Outra questão tem que ver com a esperança média de vida da população, que é demasiado baixa (menos de 60 anos), um dos ponderadores muito forte para o cálculo do seguro de vida.

Neste primeiro semestre do ano, como afirma o director comercial, a Protteja Seguros teve uma prestação positiva, apesar dos condicionalismos actuais derivado do difícil contexto económico do País, que afecta também o sector segurador, verificando-se um abrandamento do negócio.

Crescimento

Registando um crescimento superior a 500% em 2016, para este ano Pedro Galha aponta que o incremento decorre na mesma base do ano anterior, mas que não deve superar a cifra alcançada no ano transacto.

O interlocutor assinala que tanto o crescimento verificado no ano transacto, como os índices que se vem registando actualmente são atribuídos, fundamentalmente, aos produtos âncoras da companhia, nomeadamente, os ramos saúde e automóvel.

Em relação ao seguro de saúde, por exemplo, considerado de elevada sinistralidade pelas companhias, assim o é também na Protteja Seguros, o seu sucesso, nota Pedro Galha, se deve à aplicação de uma nova metodologia de trabalho.

Acontece que os players, observa Pedro Galha, têm tido um rigoroso controlo sobre os plafons dos segurados e a metodologia de utilização do cartão de saúde, que não deve ser feito de forma abusiva.

Um dos factores que contribuem para o aumento dos custos é o facto de, muitas vezes, as seguradoras prescrevem exames clínicos desnecessários aos beneficiários, considera o director comercial.

“Eles não têm a noção que o cartão de saúde tem um plafom limitado e deve ser criteriosamente utilizado, porque o cliente pode precisar, no futuro, daquele valor que está a ser usado para exames que podem ser dispensáveis”, disse.

Com efeito, a seguradora tem trabalhado com uma prestadora de serviços, a Mediplus e juntos têm delineado estratégias para que as unidades hospitalares sejam sensíveis e que os seus clínicos tenham em atenção que o plafom do cartão é limitado e tem de ser gerido criteriosamente, em benefício do próprio segurado.

Pedro Galha assinala ainda que mesmo com este controle e supervisão há ainda muito trabalho a fazer, tendo em vista o controle da sinistralidade do produto. “Com uma melhor utilização do cartão, por exemplo, uma sinistralidade diminuta, as companhias podem igualmente vir a baixar os preços das apólices de seguro”, garante.

Investimentos abrangem nova sede e serviços

Em relação a novos investimentos, nos seis primeiros meses do ano, Pedro Galha explica que a seguradora conclui o projecto referente aos canais digitais para clientes.

Ou seja, os clientes já podem, nesta altura, solicitar à Protteja Seguros a aplicação e descarregar no seu smartfone, tablet, ou noutro aparelho compatível e ter acesso aos produtos e serviços da companhia.

Explica que o serviço entrou em funcionamento em Julho último e conta todavia com pouca adesão. Neste mesmo período foi aberta uma nova agência localizada no Lar do Patriota, em Lunada.

Para o próximo mês de Setembro, segundo destaca a fonte do Mercado, está prevista a inauguração da sede da companhia, que vai incorporar a agência da Samba, além da entrada em sérico de uma unidade móvel.

De acordo com a fonte, trata-se de um camião que irá circular arredores da cidade, nomeadamente a zona de Viana, Zango, Cacuaco (Sequele) e centralidade do Kilamba, ficando durante uma semana em cada um dessas localidades, comercializando os produtos da seguradora.

Pedro Galha frisa ainda que no que toca a novos produtos, este ano a Protteja Seguros deu-se início à venda do Seguro de Acidentes Pessoais Desportivo e o Seguro de Responsabilidade Civil Escolar. O produto se destina às colectividades amadoras, embora possa a ser utilizado também por profissionais, mas de forma diferente.

 

 

Gosta deste artigo? Partilhe!

Deixe o seu comentário

You must be logged in to post a comment.