Mercado

Grupo Poltec aposta na produção de aves e suínos e lança marca alimentar

19/05/2017 - 12:45, Business, featured

Investimento em avicultura e suinicultura ascende a 50 milhões USD. Fazenda no Caxito vai produzir frutos e leguminosas. Objectivo é reforçar produção nacional.

Por Líria Jerusa

liria.jerusa@mediarumo.co.ao 

O grupo empresarial Poltec está a investir cerca de 50 milhões USD na criação de frangos e porcos no País, revela ao Mercado o PCA. De acordo com Tomasz Dowbor, o objectivo é produzir pelo menos 25 mil toneladas de aves e 10 mil suínos anuais.

O projecto, explica o gestor, ainda se encontra numa fase inicial, estando actualmente a ser construídas 96 naves, que deverão estar concluídas no primeiro trimestre de 2018. A produção, garante Tomasz Dowbor, irá iniciar-se após esta fase de obras estar concluída.

A mais recente aposta do grupo, cujo core business tem sido o sector imobiliário, está integrada na estratégia que a empresa adoptou para diversificar as suas áreas de negócio, aumentando a garantia de sustentabilidade, e reduzindo custos e riscos empresariais a longo prazo.

“Vemos a crise como uma grande oportunidade, e a redução da actividade de vários grupos empresariais pode alargar o nosso leque de negócios”, destaca o responsável.

O grupo, adianta o PCA, investiu igualmente cerca de 5 milhões USD em projectos ligados à agricultura.

De acordo com o Tomasz Dowbor, nos próximos dias, a empresa vai receber cerca de 100 toneladas de arroz proveniente do Vietname, destinadas a famílias de baixa renda, com um custo de venda equivalente a 2500 Kz por cada saco de 25 kg.

“Os produtos da cesta básica constituem uma necessidade essencial dos grupos sociais mais desfavorecidos e também da classe média baixa. O preço da cesta básica tem um impacto directo na qualidade de vida destas pessoas, e achamos que este preço dá mais possibilidades de acesso a este produto à maior parte da população angolana”, refere.

Numa segunda fase, que deverá ocorrer ainda neste ano, adianta o gestor, o grupo, que está a investir numa fazenda orgânica no Caxito, província do Bengo, irá apostar na produção de leguminosas e frutas.

O objectivo, afirma Tomasz Dowbor, é obter produção nacional para assim contribuir para diversificar a economia a longo prazo e “garantir produtos de qualidade”.

Os produtos alimentares do grupo, quer os provenientes da exploração avícola e suinícola, quer o arroz e todos os restantes que vierem a resultar da fazenda do Caxito, irão ser comercializados sob marcas próprias, revela o gestor, sem adiantar detalhes.

Leia mais, nesta edição nº104 do Jornal Mercado.

Gosta deste artigo? Partilhe!

Deixe o seu comentário

You must be logged in to post a comment.