Mercado

Shell oferece acções mais baratas em 6 anos

01/10/2015 - 11:03, Business, Energia

Aquisição do BG Group fará da multinacional anglo-holandesa a maior empresa de gás natural liquefeito do mundo.

Eis a oportunidade mais barata dos últimos seis anos de tornar-se accionista da maior empresa de petróleo e gás da Europa. O BG Group, produtor de petróleo e gás que a Royal Dutch Shell aceitou comprar por cerca de 70 mil milhões USD, está a ser negociado a um preço equivalente a pouco mais de 14 libras (21,53 USD) por cada acção Shell B, segundo dados compilados pela Bloomberg. Esta será a avaliação mais baixa para a Shell desde a recessão global de 2008/2009 e representa um desconto de 13% em relação ao preço actual das acções da empresa.
Investir no BG “será a forma mais barata de entrar na Shell, se assumir a visão de que o acordo será concretizado”, diz Philip Lawlor, estratega da Smith Williamson Investment Management, de Londres, que gere cerca de 24 mil milhões USD em investimentos, inclusive na Shell e na BG.
A perspectiva para o mercado petrolífero piorou desde que a Shell anunciou a aquisição da empresa com sede em Reading, na Inglaterra, a 8 de Abril. O petróleo Brent caiu novamente para menos de 50 USD por barril, contra os 60 USD um dia antes do anúncio. Opreço das acções da Shell caiu 19%, aumentando o ágio oferecido pela BG para até 165 pence a 26 de Agosto, contra 129 pence no dia em que a aquisição foi anunciada, segundo dados compilados pela Bloomberg.
“Na actual situação do petróleo, o mercado está também a assumir a visão de que existe o risco de que a Shell possa desistir”, considera Lawlor. Ele e outros investidores e analistas entrevistados pela Bloomberg continuam confiantes de que a Shell concluirá a aquisição.
“A perspectiva do mercado tornou-se mais difícil numa série de frentes”, afirma Michael Hulme, gestor de fundos de commodities da Carmignac Gestion. “O acordo com o Irão e a fragilidade económica que se nota na China são maus sinais tanto para a oferta quanto para a procura por petróleo bruto. Seria também extremamente embaraçoso para a Shell desistir nesta altura, mesmo que possa parecer financeiramente prudente fazê-lo.”
O petróleo Brent atingiu o nível mais baixo dos últimos seis anos no mês passado devido aos sinais de que continuará a existir um excesso de oferta global. A referência internacional do petróleo bruto estará numa média de 73,75 USD por barril em 2018, abaixo da projecção de 77,50 USD de Abril, segundo a média das estimativas de 14 analistas compiladas pela Bloomberg. O negócio pela BG presume que os preços recuperarão para 90 USD até 2018, diz a Shell.
A queda do petróleo e as próprias previsões da Shell de uma queda prolongada indicam que o pagamento de dividendos aos actuais accionistas da empresa poderá ser adiado, admite Christopher Geier, sócio-gerente da Sikich Investment Banking, de Chicago.

Shell confiante
O CEO da Shell, Ben Van Beurden, aposta a sua reputação no negócio e diz estar confiante de que será concluído no início do ano que vem. Aaquisição tornará a Shell mais lucrativa e resiliente num mundo em que os preços do petróleo permanecerão baixos por algum tempo, referiu em comunicado enviado por e-mail no dia 2 de Setembro. Após o negócio, a Shell controlará um quinto do mercado global de gás natural liquefeito (GNL), terá activos de gás do Cazaquistão à Tanzânia, passando pelos EUA, e algumas das maiores descobertas de petróleo das últimas décadas em campos de águas profundas no Brasil. A Shell recebeu aprovação por parte dos reguladores nos EUA, no Brasil e na União Europeia. As autoridades australianas adiaram a sua decisão sobre o negócio por duas semanas, porque precisavam de mais tempo para analisar a aquisição. AShell necessitará também de autorização na China.
“Este negócio formará a maior empresa de GNL do mundo e envolverá grandes activos no Brasil”, diz Geier, da Sikich. Sob uma perspectiva estratégica e de longo prazo, as actuais flutuações no preço do petróleo “provavelmente não farão a Shell alterar as suas justificações para a aquisição”.

Bloomberg/Mercado

Gosta deste artigo? Partilhe!

Deixe o seu comentário

You must be logged in to post a comment.