Mercado

Angola School of Management: O conhecimento como vantagem competitiva

14/11/2017 - 09:53, Capital Humano

“A missão genérica das organizações é satisfazer as necessidades dos seus participes, parceiros, fornecedores…”

O crescimento da racionalidade e da virtualidade produz-se como consequência da realização de experiências que têm êxito” Prof. Juan Antonio Perez-Lopez (1934-1996) Perceber o propósito da ASM implica perceber a distinção entre as Escolas de Negócio e as outras instituições de ensino.

As Escolas de Negócio servem o propósito específico de alavancar as lideranças organizacionais na direção da excelência. A excelência não mais é do que a busca contínua e constante por patamares iterativamente mais elevados de eficiência, eficácia, e satisfação das necessidades dos stakeholders das organizações.

A diferença entre as Escolas de Negócio e as outras instituição de ensino começa no seu público alvo, isto é, dirigentes, gestores, e executivos que acreditam que a materialização do seu potencial humano passa pela sua capacitação intelectual e pelas ferramentas e com petências técnicas e humanas que as Escolas de Negócio como a ASM se disponham a oferecer.

No caso da ASM, existe uma identidade e valores que proporcionam uma experiência de aprendizagem que visa elevar o potencial humano de forma integral, isto é, olhar para gestor na sua dimensão técnica e humana, e  para  as  organizações  como  fontes  de  impacto económico e social.

Dizia o Professor Perez Lopez que o seu interesse pela ciência da gestão adveio da sua percepção intuitiva da importância das organizações comerciais na sociedade tendo em conta que é através destas organizações que são gerados os recursos que dão não apenas a dimensão económica mas igualmente a dimensão social às sociedades passando a redundância. Dizia Tomás de Aquino sobre os homens/mulheres o que pode ser dito das organizações: “Um indivíduo (empresa), vivendo em sociedade, constitui de certo modo uma parte ou um membro desta sociedade. Por isso, aquele (aquela) que faz algo para o bem ou para o mal de um de seus membros atinge, com isso, toda a sociedade”. As Escolas de Negócios enquanto instituições de ensino são agentes que visam desempenhar um papel na direção do desenvolvimento sustentável das organizações alavancado no conhecimento. O professor Perez Lopez diria que a missão genérica das organizações é satisfazer as necessidades dos seus participes, isto é dos seus colaboradores, parceiros,
fornecedores; já a missão específica é relacionada com os stakeholders que são servidos pelo produto ou serviço que a organização oferece, no caso das Escolas de Negócios, os seus alunos e/ou participantes nos programas executivos. O foco da ASM é proporcionar oportunidades de aprendizagem sempre com a consciência que “existem coisas que se aprendem mas que não se podem ensinar”.

A ASM completará, em 2018, dez anos desde que inaugurou o seu primeiro programa de formação de executivos sendo que até 2017 o número de participantes é superior a 500 executivos.

O Foco da Escola é formar líderes, dirigentes, e altos quadros de empresas para que os mesmos possam materializar o seu potencial enquanto gestores e enquanto homens/mulheres que capacitados a gerir as suas organizações o façam com e de uma perspectiva tecnicamente apurada mas igualmente humanisticamente inspirada.

A ASM surge através do reconhecimento da necessidade de formação por parte de líderes angolanos. Com o apoio da AESE Business School é inaugurada com um seminário em 2008, ao qual se segue o primeiro programa em 2009, o PADE – Programa de Alta Direção de Empresas. O PADE passa a ser realizado anualmente sendo que em 2017 completou a sua nona edição. O PDE  Programa de Direção de Empresas surge em 2012 e passa a ter duas edições anuais a partir de 2013 – completa a sua décima primeira edição em Dezembro de 2017.
Para além destes dois Programas que, contaram – até à data – com mais de 500 participantes, a Escola tem desenvolvido outras iniciativasna área da saúde com o PADIS – Programa de Alta Direção de Instituições de Saúde e Seminários de Gestão do AgroNegócio.

Nesse sentido realizar-se-á entre 13 e 16 de Novembro de 2017 um Seminário de Gestão do AgroNegócio que contará com a presença de professores argentinos que virão – pela terceira vez no espaço de dois anos – partilhar experiências académicas e profissionais. A Argentina, à semelhança de Angola, necessitou e decidiu investir nos seus recursos agroindustriais numa altura em que ainda era um país em vias de desenvolvimentotalvez por isso haja uma capacidade por parte dos mesmos de compreender os desafios que os participantes nos programas partilham e expõem.

Ainda durante o mês de Novembro de 2017, mais propriamente durante os dias 23 e 24, a ASM irá organizar uma Conferência Internacional sob o tema “A sustentabilidade agroalimentar em Angola: 2020-30”.

Estas iniciativas servem o propósito de criar um contexto no qual de forma intelectualmente saudável, os diferentes intervenientes no sector poderão trocar ideias e procurar soluções potencialmente de transformadoras e/ou disruptivas para o sector do AgroNegócio em Angola.

Citando Leonardo da Vinci “Pouco conhecimento faz com que as pessoas se sintam orgulhosas. Muito conhecimento, que se sintam humildes. É assim que as espigas sem grãos erguem desdenhosamente a cabeça para o Céu, enquanto que as cheias as baixam para a terra, sua mãe.”

Gosta deste artigo? Partilhe!

Deixe o seu comentário

You must be logged in to post a comment.