Mercado

As melhores do mundo na inovação, internacionalização, sucesso e salário

01/10/2015 - 14:19, Capital Humano, Universidade

A Nova Angola Business School e a Universidade Católica de Angola (UCAN) partilham a mais recente distinção do “FT 2015 master in management ranking analysis” através das instituições em Portugal.

Por Ana Maria Simões | Fotografia Bloomberg

O mestrado em Gestão da Nova School of Business and Economics é tido como o 31.º melhor do mundo (primeiro em Portugal). Subiu 17 lugares em relação à classificação no ano anterior . A  média de acesso à licenciatura é  de 17,3.
A Católica Lisbon School of Business and Economics ocupa o 59.º lugar.
Curiosamente, o mestrado da Católica garante maior empregabilidade. Há, no entanto, um outro dado  relevante: o Financial Times reconhece ao mestrado da Nova a supremacia na experiência internacional, no número de estudantes estrangeiros e na mobilidade além-fronteiras. “Este é o sinal de que já somos um ‘mini hub’ da economia mundial, funcionando como plataforma de atracção e distribuição de talento pelo mundo”, disse Daniel Traça, o director da Nova SBE, em comunicado.
E Traça tem mais para se sentir satisfeito. O Financial Times destaca, ainda, a Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa, e La Rochelle Business School, em França, como as duas instituições que mais subiram na tabela deste ano.
A liderar o ranking do jornal salmão está a universidade suíça de St. Gallen, com o melhor mestrado de Gestão – e assim tem sido nos últimos cinco anos. Logo a seguir, em Paris, está a HEC (École des Hautes Études Commerciales), que liderou o ranking entre 2005 e 2008. É ainda em França que encontramos o terceiro melhor mestrado em Gestão do mundo, na Essec Business School (École Supérieure des Sciences Économiques et Commerciales).
O ranking é feito com base em dados obtidos a partir do desempenho directo das universidades e  dos salários dos ex-alunos no prazo dos três anos subsequentes. O sucesso e o salário fazem dos alunos de St. Gallen os mais bem pagos de todas as universidades.

Quando o ranking é inovação
Os Estados Unidos, o Japão e a Coreia do Sul são os países em destaque.
A Thomson Reuters Intellectual Property and Science pesquisou, de acordo com critérios pré-definidos, várias instituições de ensino superior e chegou a algumas conclusões. A primeira: a mais inovadora de todas as universidades é a Stanford University, de Palo Alto, na Califórnia. A partir do corpo docente e dos alunos, formaram-se as maiores empresas de tecnologia do mundo. Alguns exemplos: Hewlett-Packard, Yahoo! e Google. Um estudo de 2012 estimava que as empresas fundadas ou geridas por executivos saídos de Stanford davam uma receita global anual de 2,7 biliões USD. Vamos repetir: 2,7 biliões USD. Stanford superou o Massachusetts Institute of Technology (MIT) e as universidades da Ivy League, com Harvard à cabeça. A segunda conclusão a que se chegou com este estudo é que metade das universidades mais inovadoras já se encontra fora dos Estados Unidos. Estão localizadas no Canadá, Europa ou na Ásia, com o Japão e a Coreia do Sul a apresentarem excelentes institutos académicos, com destaque para o Korea Advanced Institute of Science & Technology (KAIST), nos dez primeiros lugares dos institutos mais inovadores e o primeiro fora dos Estados Unidos. Na Europa, o Imperial College London merece o 11.º lugar numa lista de 100. Na Bélgica, a Belgium’s KU Leuven (a Universidade Católica de Lovaina) ou, em Inglaterra, a University of Cambridge merecem ser salientadas. Para terminar, ainda e sempre, as universidades suíças como centros de excelência e inovação.
Os critérios essenciais deste estudo passam muito pela ideia da ciência e da tecnologia focadas no impacto económico global.

Gosta deste artigo? Partilhe!

Deixe o seu comentário

You must be logged in to post a comment.