Mercado

Odebrecht Angola mantém aposta na responsabilidade social

05/12/2017 - 15:15, Capital Humano, featured

Empresa investiu neste ano quase 2,3 milhões USD em projectos de aumento da renda e melhoria das condições de vida de comunidades em torno do projecto de Laúca.

Por Redacção

A Odebrecht Angola investiu, até Setembro último, mais de 2 milhões USD no seu programa de responsabilidade social empresarial, revela Justino Amaro, director de Relações Institucionais da empresa. “Investimos perto de 2,3 milhões USD nestes programas, muito ligados à geração de renda e emprego nas comunidades onde se encontram inseridos os nossos projectos”, disse à margem de um evento corporativo, recentemente.

A multinacional de origem brasileira desenvolve projectos de investimento próprios, com ênfase para o imobiliário, mas o foco mantém-se na construção civil e nas obras públicas. “Continuamos firmemente engajados e comprometidos com Angola. Actualmente, o nosso principal projecto é a conclusão dos trabalhos da obra do Aproveitamento Hidroeléctrico de Laúca (AH Laúca)”, adiantou Justino Amaro, apontando os projectos sociais associados à maior obra de engenharia civil em Angola, onde se procura promover o aumento da renda das famílias, com foco no desenvolvimento de cooperativas, e no desenvolvimento de programas de assistência médica e melhoria significativa na qualidade de vida dos moradores, com a electrificação das casas e iluminação pública de seis comunidades, beneficiando mais de 700 pessoas.

Crise não causou paragens

A crise trouxe constrangimentos, mas a empresa desenvolveu um plano de reestruturação de custos que lhe permite continuar a actividade, apesar dos atrasos do Estado no pagamento de contratos de empreitada. “Somos um dos maiores contribuintes fora dos petróleos. Temos uma grande força de trabalho e temos vindo, na obra em Laúca, a potenciar um elevado número de jovens angolanos, desde funcionários ligados à obra a estudantes de diferentes universidades que nos procuram para aulas e seminários práticos ou estágios”, disse. Um dos exemplos é o programa Oficina do Saber, cujos integrantes dispõem de tempo e conhecimento para treino e formações, em diferentes componentes. Em Outubro, cerca de 80 elementos do AH Laúca participaram no curso básico de Topografia, ministrado por colaboradores da área de Engenharia.

Também no plano externo, o AH Laúca tem apoiado a formação de estudantes angolanos. Em Setembro, o projecto foi convidado para participar na semana técnico-científica do Departamento de Ciências Tecnológicas e Engenharias da Universidade Metropolitana de Luanda, onde estiveram mais de 100 alunos de Engenharia Civil e Arquitectura. Por outro lado, 30 alunos de Engenharia Ambiental da Universidade Independente de Luanda visitaram por dois dias as instalações do AH Laúca, constatando in locoquestões de sustentabilidade na obra. Além da apresentação da obra aos estudantes, foram abordadas questões de sustentabilidade e gestão do programa ambiental, o que suscitou muitas questões, por ser o foco do curso dos visitantes. Em 2017 o AH Laúca concluiu os principais trabalhos de engenharia civil e electromecânica, para o pleno funcionamento da barragem em 2018.

Com uma altura de 156 metros e mais de 1 km de extensão, a barragem de Laúca foi concluída em Setembro, envolvendo cerca de 2000 trabalhadores em três anos Também neste ano foram concluídas as escavações de seis túneis, num total de 15 km, responsáveis por transportar água do rio Kwanza para as turbinas. “Os nossos esforços estão focados na conclusão dos acabamentos do túnel n.º 4, importante etapa para o funcionamento da terceira turbina”, diz Jacob Sacanhina, engenheiro responsável pelas escavações.

Com 700 km de linhas de transporte de energia e diversas subestações, toda a energia produzida no AH Laúca será expedida para os principais centros consumidores. A primeira fase do projecto do sistema de transporte de energia tem 310 km de linhas de transporte a 400 kV, dos quais 120 km entraram em operação em 2017. Até Maio de 2018, está prevista a entrada em operação de mais 190 km.

Gosta deste artigo? Partilhe!

Deixe o seu comentário

You must be logged in to post a comment.