Mercado

Um milionário do século XXI

10/09/2015 - 15:46, Capital Humano, Upgrade

A tecnologia é um pequeno passo para o homem e um salto gigantesco para a fortuna dele.

Por Ana Maria Simões | Fotografia JD Lasica

Estamos a falar de Evan Spiegel, californiano, aluno da Stanford University, criador de uma app milionária e namorado de Miranda Kerr.
Ainda a fazer a pós-graduação na Stanford University, Evan Spiegel transformou-se no seu próprio génio da lâmpada e criou uma app – o Snapchat, que fez dele um muito jovem multimilionário. Evan Spiegel é filho de dois advogados da classe média-alta (francamente alta) da Califórnia, que um dia fez uma birra monumental com o pai porque ele não lhe comprou um BMW e foi viver com a mãe, que acabou por lhe comprar o carro que ele queria. Passado pouco tempo, era multado por excesso de velocidade. Hoje não teria de zangar-se com o pai ou pedir à mãe, gosta de carros muitos caros e tem dinheiro para os comprar.
Temos, entretanto, de reconhecer que neste aspecto Evan não é mais original do que o foram, antes dele, Bill Gates, Steve Jobs, Elon Musky, Larry Page ou Mark Zuckerberg. Uma nova geração de jovens multimilionários que enriqueceram devido a uma qualquer actividade relacionada com a criatividade e inovação tecnológicas. Mas não são os únicos numa reconhecida e importante geração de empreendedores e gestores. Uns fizeram a sua fortuna; outros prolongaram e prolongam-se nas fortunas de família. No primeiro caso, incluímos Evan Spiegel e Bobby Murphy, os co-fundadores do Snapchat, ou brasileiro Eduardo Saverin, co-fundador do Facebook, ou o japonês Kenji Kasahara, criador da rede social Mixi. No segundo grupo temos os filhos de família que recebem um legado nada desprezível que também não desprezam. Alguns deles: Júlio Mário Santo Domingo III, tem o nome do avó, que foi um dos homens mais ricos da Colômbia, vive e reside em Nova Iorque, é um americano com a fortuna colombiana da Bavaria Brewery (cerveja), anda pelos 30 anos.
Outra multimilionária Santo Domingo é Tatiana, que usa o apelido Casiraghi, a hippy chic nora da princesa Carolina do Mónaco, casada com Andrea Casiraghi, também ela neta de Júlio Mário Santo Domingo, o I. Tem pouco mais de trinta anos e é irmã de Júlio. Lawrence Ho, filho do empresário macaense Stanley Ho, dá cartas nos casinos e nos negócios a partir da Ásia para o mundo, não tem ainda 40 anos. Mohammed Dewji, tanzaniano, 40 anos, multimilionário à frente do grupo da família, o MeTLGroup.
Como estamos a ver, há uma versão mais conservadora de jovens milionários, oriundos de dinastias empresariais ou aristocratas, a que se junta agora um novo estilo, inovador no que fazem e como o fazem e como se comportam socialmente. É onde incluímos Evan Spiegel. Um detalhe ou talvez não: todos eles passaram por importantes universidades, na maioria, norte-americanas.
Mais recentemente, o jovem milionário Evan Spiegel foi notícia porque passou férias na Córsega, uma ilha do Mediterrâneo, com a actriz e modelo da Victoria’s Secret Miranda Kerr, sete anos mais velha. As imagens que chegaram ao mundo são de pura felicidade.
O Snapchat é uma aplicação para iOS e Android onde, simplificando, as mensagens se autodestroem eliminando a memória, mas, essencialmente, situações mais embaraçosas. As mensagens são menos de texto e mais de fotografias ou vídeos. Os adolescentes, os pré-adultos e muitos adultos – as idades vão dos 13 aos 35 anos – aderem em massa a esta aplicação e fazem a fortuna dos seus fundadores, Evan Spiegel e Bobby Murphy.
Evan Spiegel, e passamos a citar a Forbes, “cresceu confortavelmente na área de Los Angeles”, filho de Melissa Ann Thomas e John W. Spiegel, advogados (que se divorciaram depois de 20 anos de casamento). Estudou num colégio católico e depois passou para a Crossroads School for Arts and Sciences, em Santa Mónica, também na Califórnia. Deu aulas na África do Sul e, quando viajava pela Europa, em Praga, ficou a saber que tinha sido aceite pela Stanford University para uma pós-gradução. E aí tudo mudou. Encontrou Murphy, que estudava Matemática, juntam-se numa comunidade a que dão o nome de Kappa Sigma e criam o Picaboo, uma aplicação para enviar mensagens e fotografias com um temporizador que as destruía em 10 segundos. O projecto fracassou, mas Spiegler e Murphy empenharam em voltar a falhar, talvez melhor. E no Outono de 2011 lançaram o Snapchat. No final de 2013, Spiegel recusa a oferta de 3 mil milhões USD do Facebook para ficar com a aplicação. Em Maio de 2015, a empresa consegue importantes investimentos e é avaliada em 16 mil milhões USD. Entretanto, num processo muito semelhante a um outro em que esteve envolvido Mark Zuckerberg, afastam da empresa Reggie Brown, ex-companheiro de brootherhood e criador da app em Stanford.
Aos 25 anos, Spiegel é um multimilionário deste tempo – mulheres e homens com educação superior, que pensam rápido, em grande, são focados, não têm medo do fracasso, constroem equipas sólidas, gostam de aprender e gostam de ensinar, e vestem casual.

Gosta deste artigo? Partilhe!

1 Comentário

  1. Kailee 25/04/2016 - 18:14

    that they would not do.Finally, the GOP response will be that you don’t have to repeal DOMA or monkey with the tax co#dme8212;si&ply change the proposal to eliminate the marriage penalty in the O tax plan.Moral of the story (and one I have pushed for years): If you make a lot of money, don’t get married.

Deixe o seu comentário

You must be logged in to post a comment.