Mercado

Upgrade: A formação inspira o desempenho

10/02/2017 - 08:55, Upgrade

Discreto. Determinado. E comprometido. Com a sua formação, com o seu país, com a vida. O perfil de Mário Almeida.

Por Nilza Rodrigues

“O primeiro passo para chegar a algum lugar é decidir que não vai ficar onde está.” A frase é de John Pierpont Morgan ou JPMorgan, como entretanto se tornou conhecido um dos maiores banqueiros dos nossos tempos. A sua visão estratégica levou-o sempre a pensar e a olhar mais longe.

E é esse alargar de horizontes que Mário Almeida, 40 anos, economista de formação, partilha e o fez lançar-se num Global Executive MBA entre Barcelona, Xangai, Nova Iorque e Silicon Valley, rendendo-se ao admirável mundo novo da gestão, da economia, da globalização.

Nasce escorpião de signo, no conhecido bairro de Alvalade. Cresce no seio de uma família coesa, com valores rigorosos de solidariedade, disciplina e ética. Faz formação média no Instituto de Economia de Luanda, definindo já a sua vocação para os números que mais tarde viria a confirmar-se na Universidade Autónoma de Lisboa, onde ingressa para se formar, precisamente, em Economia.

Ainda em Portugal, empenha-se no seu ‘first job’ na consultora Arthur Andersen, tendo chegado à categoria de senior manager.

Mas o regresso a Angola impunha–se. Agora já com a namorada que conheceu durante os tempos de faculdade e com quem trocou votos de amor eterno. Um romântico, pai de três filhos, que tem na família um porto seguro.

Estamos em finais de 2002. Mário aceita o convite do BESA e começa a fazer carreira na banca. Chega à categoria de subdirector da contabilidade, e em 2005 é desafiado pelo BFA para liderar o departamento de contabilidade. Um ano apenas e já está a ser convidado para participar na fundação do Banco Atlântico, com a responsabilidade pelas direcções de Contabilidade e pelo Planeamento e Controlo de Gestão.

As suas características profissionais não passam despercebidas. Disciplina, método e espírito de equipa fazem parte do seu ADN. Por isso, em 2010, assume a responsabilidade de administrador, com os pelouros relacionados com os reportes financeiros e áreas de controlo (Crédito e Rating, Contabilidade, Controlo de Gestão, Risco, Recuperação de Crédito, Controlo Interno e Gabinete de Organização, Métodos e Projectos).

Ascende ainda a chief risk officer,sendo responsável pela componente de risco e controlo interno do Atlântico. Acumula com a presidência do Conselho Fiscal do Atlântico Europa.

Foi ainda responsável pelo programa de responsabilidade social do Banco Privado Atlântico, entre 2009 e 2011, com impacto na vida de cerca de 3000 crianças.
Mas a inquietude própria dos seus 39 anos e a ânsia de aprender levam–no a fazer uma paragem na sua vida profissional e a dedicar-se ao conhecimento num outro país, num outro continente, numa outra cultura. E na mala traz a riqueza da experiência e um upgrade na sua formação para abraçar seguramente novas missões.

Gosta deste artigo? Partilhe!

Deixe o seu comentário

You must be logged in to post a comment.