Mercado

Banca regista crescimento de 17% no activo

30/12/2016 - 15:02, featured, Finanças

Contrariando a tendência verificada em períodos anteriores, em 2015 o crédito em moeda estrangeira cresceu 15,2% face ao período homólogo anterior.

Por Fernando Baxi | Fotografia Njoi Fontes

A Associação Angolana de Bancos (ABANC) publicou, no último trimestre de 2016, o estudo anual sobre a actividade da banca em 2015. Ao contrário de estudos anteriormente divulgados, no referido trimestre, pelas consultoras Deloitte e KPMG, a análise financeira da ABANC é exposta de forma agregada e agrupada em três classes, prescindindo do rankingentre os bancos, excepto nos dados referentes ao activo. Do formato apresentado pela ABANC, no estudo, o sistema bancário angolano é subdivido por bancos de grande, média e pequena dimensão.

Quanto aos resultados, o activo total dos bancos cresceu 17% em 2015, comparativamente a 2014, influenciado em parte pela valorização dos activos em moeda estrangeira.

Também houve um crescimento dos títulos e valores mobiliários (compostos essencialmente por títulos de dívida pública) na ordem dos 50,9%. Tal acréscimo, segundo a análise, resultou do aumento das necessidades de financiamento público, assim como das alterações de política monetária em particular, no final do ano (2015).

Esse facto estimulou igualmente o crescimento das disponibilidades em 35%, tiveram maior contributo para evolução agregada dos activos e menor incremento do crédito com apenas 6,2%.

Verificou-se tal evolução face à desaceleração do crescimento económico, causada pela queda do preço do petróleo com impacto noutros sectores.
Alteração da estrutura do activo

Apesar da alteração da estrutura do activo, a actividade creditícia continua a ser a componente com maior participação percentual, representando 36,3% do total (contra 40,0% em 2014 e 35,1% em 2013), seguida dos títulos e valores mobiliários com 28,7%.

Manteve-se a tendência para a redução do volume de operações em aplicações de liquidez em 2015, na ordem dos 37,1%, nomeadamente nas operações no mercado monetário interbancário, tendo forçado a contracção de 28,3% do agrupamento de outros activos remunerados, indicativo das alterações na política monetária.
Ainda de acordo com o estudo da ABANC, relativamente à banca, também foi possível verificar que se registou um aumento da percepção do risco de crédito no mercado monetário interbancário.

Saiba mais, nesta edição nº84 do Jornal Mercado, já nas bancas. 

Gosta deste artigo? Partilhe!

Deixe o seu comentário

You must be logged in to post a comment.