Mercado

Alemanha: Governo vai mesmo aumentar o investimento público

25/05/2017 - 15:55, Global Report

Criticada pelo excedente comercial, a Alemanha vai acelerar o investimento público em infra-estruturas, mostra um relatório do governo de Merkel.

Por Dinheiro Vivo | Lusa 

A Alemanha, criticada pelo excedente comercial, penalizante para os seus parceiros comerciais, quer acelerar os investimentos públicos em infra-estruturas nos próximos anos, segundo revela um relatório do Ministério das Finanças alemão recentemente divulgado.

Se o investimento público – do Estado central, estados regionais e municípios – cresceu a um ritmo médio anual de 3,8% entre 2005 e 2016, passará agora a crescer “cerca de 5% nos próximos anos” até 2021, de acordo com o relatório mensal do ministério dirigido por Wolfgang Schäuble, que prevê um boom nesse domínio.

“As novas autorizações no sector do imobiliário e obras públicas, incluindo infra-estruturas rodoviárias, evoluem a um nível nunca visto” desde o início do século XXI, de acordo com o documento.

“As novas autorizações na construção de infra-estruturas rodoviárias são mesmo inéditas desde a reunificação da Alemanha”, no início dos anos 90, acrescenta ainda o ministério.

A Alemanha é alvo de críticas recorrentes das instituições internacionais ou dos seus parceiros comerciais, como os Estados Unidos da América e a França, que a acusam de não importar o suficiente e de não investir, por forma a beneficiar por efeito de ricochete outras economias do seu sucesso nas exportações.
O documento compara ainda a despesa pública alemã – com o acolhimento de refugiados, construção de creches e outras infra-estruturas – entre 2005 e 2016 com outros parceiros europeus, como a França, em que aumentou 0,6% no mesmo período, ou Espanha e Itália, onde o indicador recuou.

“Muito poucos países mostram uma dinâmica de investimentos mais forte do que a da Alemanha”, e são todos da Europa de Leste (Eslováquia, Lituânia, Letónia e Estónia), sublinha o ministério.

“As críticas frequentemente formuladas […], segundo as quais a Alemanha tem orçamentos restritivos às custas dos seus investimentos públicos, não são fundadas”, acrescenta o texto.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) voltou a apelar recentemente a Berlim para que baixe os impostos e aumente o investimento.

Schäuble, defensor da ortodoxia orçamental, deu recentemente a entender que poderá haver alguma folga nos impostos, mas apenas depois das eleições legislativas, previstas para o próximo Outono, e se o partido conservador de Angela Merkel (CDU/CSU) sair mais uma vez vitorioso.

Gosta deste artigo? Partilhe!

Deixe o seu comentário

You must be logged in to post a comment.