Mercado

Quando uma multa de 40 USD nos ajuda a construir um império

04/11/2016 - 11:08, Global Report

A ideia certa no momento certo pode transformar o mundo. Hastings criou a Netflix, e nada é como antes.

Por Fernanda Mira

Esta é uma história com a qual todos nos identificamos. Um dia decidimos alugar um vídeo daquele filme que nos escapou no cinema ou que nos está mesmo a apetecer rever. Vamos à loja, alugamos e chega aquele momento mágico em que, sentado no sofá, a película começa a rodar. No dia seguinte, por entre as inúmeras tarefas para realizar, lá fica a caixa que temos de devolver ao videoclube. Passa um dia, passa uma semana. Lá nos lembramos, mas, para castigo do nosso esquecimento, temos de pagar uma multa.

Mas porquê fazer este relato do quotidiano, se o propósito é contar a história do CEO da rede Netflix, o homem que em 2014 foi catalogado pela Forbes como milionário? É que, em 1997, Reed Hastings teve a ideia de criar um sistema alternativo ao utilizado pelas cadeias de aluguer de filmes quando teve de pagar uma multa de 40 USD por se ter esquecido de entregar a tempo e horas o filme Apollo 13. Irritado com a multa, decidiu lançar um negócio inovador de aluguer de filmes e séries de televisão pelo correio. Por uma mensalidade de 15,99 USD, a empresa de Hastings, Netflix, passou a oferecer aos assinantes a possibilidade de assistir a quantos filmes quisessem, até ao limite de três DVD, sem prazo para devolver as fitas. Num ápice, o serviço conquistou milhões de pessoas nos EUA.

Em 2007, Hastings volta a reinventar o negócio de distribuição de filmes, ao lançar um serviço de aluguer pela Internet, através do uso de uma tecnologia conhecida como streaming. Assim como no aluguer pelo correio, os assinantes do novo serviço pagam uma taxa fixa mensal e têm acesso ilimitado ao acervo digital. “Muitas vezes temos a sorte de ter a ideia certa no momento certo. É uma coisa que não se consegue planear.

Essa é a essência do risco. Fui muito feliz com a ideia da Netflix, tanto quando começámos o negócio, com o envio de filmes pelo correio, como hoje, com a aceitação do serviço de streaming pela Internet”, explica Hastings.

Matemático de profissão e com uma pós-graduação em Inteligência Artificial na Universidade de Stanford, apostou na expansão mundial da Netflix este ano. Assim, são 190 países de todos os continentes onde o serviço está disponível. Esteja onde estiver, em Luanda, em Nova Iorque, em Lisboa ou em Lahore, é agora possível assistir, a qualquer hora e no dispositivo à escolha, a séries como Narcos, House of Cards,porventura o maior êxito de sempre da Netflix, ou a filmes originais como o africano Beasts of no Nation. A grande excepção é a China, tão-só o maior mercado do mundo, uma entrada que Hastings deseja concretizar ainda até ao final deste ano.

Mas os números da Netflix são, de facto, impressionantes: 83 milhões de assinantes (até Julho de 2016); 42,5 mil milhões de horas assistidas; 900 trabalhadores.

Filho de um advogado que trabalhou na Administração de Richard Nixon, integrou o Peace Corp – corpo de voluntários, gerido pelo governo dos Estados Unidos – que presta auxílio em todo o mundo. E foi aqui que viveu, segundo conta, “uma combinação de serviço e aventura”, quando trabalhou como professor de Matemática na Suazilândia. “Depois de ter andado à boleia em África com 10 USD no bolso, começar um negócio não parece muito intimidante”, disse em 2007, numa entrevista à CNN. Salientando que África se revela decisiva na formação do seu espírito empreendedor.

Quando instado a dar conselhos a quem quer iniciar um negócio, Hastings diz ser essencial a concentração “em fazer o que quer, a sua paixão e estar mentalmente preparado tanto para o sucesso quanto para o fracasso. Assim, terá maiores hipóteses de se dar bem”.

E Hastings deu-se, de facto, muito bem. Em 2014 superou, pela primeira vez, a barreira dos mil milhões e, actualmente, está-lhe atribuído património no valor de 1,56 mil milhões USD. O homem que mudou a forma como vemos televisão considera a educação como prioridade absoluta, tendo criado o The Hastings Fund, que tem a sua acção direccionada ao apoio de projectos educati.

Gosta deste artigo? Partilhe!

Deixe o seu comentário

You must be logged in to post a comment.