Mercado

Cláudia Cordeiro da Silva

07/10/2015 - 15:05, + Mercado, Brunch with

Uma mulher que vive intensamente as tarefas do dia-a-dia conta aqui o seu percurso até à realização profissional. Revela ainda os sonhos, os medos e o prazer que tira da vida, dentro e fora do trabalho.

Por Vânia Andrade | Fotografia Njoi Fontes

A nossa convidada é a actual directora de marketing da Hipergest, empresa de gestão de imobiliário, responsável pela gestão do futuro Centro Comercial Avenida, em Luanda.
Esta mulher de 39 anos, que diz viver a vida com intensidade, sem preconceitos, mostrou-se muito divertida e comunicativa durante a conversa com o jornal Mercado. O encontro com Cláudia da Silva foi numa tarde de início de Verão, no restaurante O Fazendeiro, lugar que transmite bastante tranquilidade, tal como as grandes fazendas no campo.
Contou-nos abertamente como reagiu ao ser pedida em casamento. “Foi interessante, casei-me em dois dias, sem festa, mas tenho um álbum de casamento lindo”, confessa.
Teve uma infância, tal como revela, muito boa, em Luanda, no bairro Alvalade. De segunda a sexta-feira, em casa dos avós, e aos fins-de-semana ficava com os pais
“O meu pai não teve rapazes, sempre fui o menino de casa, o que ligava a electrobomba, controlava a água do tanque enquanto enchia para não transbordar.”
Estudou até à 3.ª classe em Luanda, mas em 1988, aos 9 anos, os pais decidiram mandá-la para Portugal, a viver com os avós paternos, porque nesta época havia no País muitas greves de professores.
“Vivi por dois anos na cidade de Lisboa, com os meus avós, onde fiz a 4.ª e a 5.ª classe numa das escolas dos arredores”, disse.
A mudança de Angola para Portugal não foi fácil, porque sentia muitas saudades dos pais. Sempre que fosse de férias para Angola, “quando chegasse a hora de regressar para Lisboa, era um berreiro no aeroporto”, lembra.
Entretanto, aos 11 anos, regressa ao País, para fazer o ensino médio, e volta para Lisboa, depois de 6 anos, a fim de ingressar no ensino superior, frequentando o curso de Informática e Gestão de Empresas por três anos. “Decidi trocar porque informática não era o meu forte, acabei por me formar em Organização e Gestão de Empresas.”
Após ter terminado o ensino superior, ficou dois anos nos Estados Unidos da América, em Kansas City, onde elaborou o primeiro projecto profissional.

Percurso profissional
De regresso ao País, conta que o seu primeiro trabalho foi na Panalpina Angola. Aí foram surgindo outras propostas de trabalho, mas, por insistência de uma amiga, optou por aceitar a da Unitel.
“Foi uma grande oportunidade ter entrado para a Unitel, foi uma escola para mim”, confessa.
Cláudia da Silva organizou várias campanhas de marketing para os serviços da Unitel, nomeadamente, o Liga Só, Manda Só, a da videochamada e inclusive a de dados de Internet.
“Adquiri muita experiência, fiz muitas promoções e, após quatro anos na Unitel, recebi um convite do Grupo Score Distribuição para abraçar o projecto desde o início, até à abertura do Hipermercado Deskontão, que neste momento é um sucesso”, disse.
O seu profissionalismo foi mais uma vez notado, a Hipergest, um projecto novo, de gestão imobiliária, fez-lhe uma proposta irrecusável… “Somos responsáveis pela gestão do mais novo centro comercial de Luanda, o shopping Avenida.”
Gosta bastante desse projecto, que tem como objectivo abrir mais centros comerciais na cidade de Luanda e no País.
Embora se sinta realizada com o seu trabalho, não pretende parar por aqui. Propostas de trabalho continuam a surgir, mas sente que ainda não está no momento certo de abraçar novas apostas. No entanto, pretende perder o medo de arriscar e abrir o seu próprio negócio relacionado com moda ou estética.
“Gostaria de chegar até à administração de alguma instituição, acho que este passo será dado futuramente”, almeja.

O outro lado…
Casada há dois anos, a nossa convidada revela que vive intensamente o seu casamento, do qual gerou dois filhos, uma menina de 6 e um rapaz de 1 ano e meio.
“O meu marido é do tipo que, se eu estiver na cama e pedir um copo de água, ele nem discute, é muito meu amigo, apoia-me sempre em qualquer situação.”
Adora estar com os filhos, é apaixonada por praia, água e sol. E não dispensa a sua dose de margaritas ou um mojito.
Cláudia da Silva convive com o problema de insónias, porque diz viver intensamente o seu trabalho. Por isso considera o desporto uma actividade indispensável. É praticante de TRX crossfit. “Qualquer coisa que me faça transpirar e libertar alguma testosterona, seja o que for, já ajuda”, disse.
Sabe e gosta de cozinhar, amiga de saladas e não de frituras, dispensa também comidas muito condimentadas, mas come de tudo um pouco, desde a lasanha até à feijoada.
Sempre que pode, lê, gosta de livros de auto-ajuda, e que tenham que ver com o momento que está a viver. Vê filmes, mas de preferência no cinema e se forem comédias. Quanto a música? “Gosto de apreciar soul e R&B, desde que não tenha muita confusão… [risos]” Os pais de Cláudia da Silva são a inspiração de vida, confessa que segue muito “as passadas” do pai.
Católica praticante, diz que a limpeza excessiva é uma das suas maiores manias. Confessa também que a teimosia é o seu maior defeito, tendo como maior qualidade a bondade. “Não consigo guardar rancor de ninguém.”
Quando sai de férias, obrigatoriamente passa por Lisboa, porque os pais vivem nesta cidade. “Nunca deixo de ir ao Algarve e, dependendo do tempo de férias, dou uma volta a Espanha e a Londres. E, para fazer compras, escolhe Dubai e acha que o lugar ideal para relaxar a dois é o Nordeste do Brasil.

Gosta deste artigo? Partilhe!

Deixe o seu comentário

You must be logged in to post a comment.