Mercado

David Moisés

15/10/2015 - 11:45, + Mercado, Brunch with

Os desafios de representar uma marca de reconhecimento internacional, as aspirações e ambições são alguns dos temas sintetizados na conversa mantida com um homem solidário e preocupado com as causas alheias.

Por Líria Jerusa | Fotografia Njoi Fontes

O convidado desta semana é o embaixador da célebre marca de uísques escoceses Chivas Regal e o primeiro representante oficial da marca no País. Desta vez o brunch teve lugar no Café Paris, numa conversa descontraída com um jovem de poucas palavras, mas muito determinado.
David Moisés nasceu em Luanda há 28 anos e teve parte de sua infância decorrida no bairro do Miramar. Conta que viveu em Portugal dos 6 aos 16 anos e viajou para a Tailândia, onde viveu um ano e meio. Na altura, era atleta de alta competição de artes marciais. “Fui para a Tailândia num contrato de um ano e meio para competições’’, sublinha.
Em Portugal, David Moisés viveu em Cascais, zona da Parede, e, apesar de longe da sua terra natal, sempre procurou manter contacto com a família em Angola e procurava estar bastante tempo com ela sempre que voltasse de férias.
Aos 20 anos, viveu em Londres, cidade onde estudou Gestão de Empresas, durante três anos, e quando regressou a Portugal começou a trabalhar no ramo de bebidas espirituosas. “Fui a uma entrevista e fiquei logo apto para trabalhar na empresa. Este foi o meu primeiro trabalho na Pernod Ricard, um conglomerado francês que actua no ramo de bebidas alcoólicas”, diz David Moisés.
Devido ao facto de ser atleta, afirma que ficou muito ligado ao atletismo. Tem como sua grande fonte de inspiração o pugilista norte-americano Floyd Mayweather.

O embaixador
David Moisés conta que a oportunidade de ser o embaixador da Chivas em Angola surge em 2014, ano que regressa ao País. Mas diz que teve de passar por um processo de avaliação e muitas fases de selecção em que estiveram a concorrer mais de 3 mil candidatos em todo o mundo. No final do programa de selecção e entrevistas, foi o escolhido.
“Uma das grandes dificuldades que tive foi fazer o programa em inglês. Apesar de ter estudado em Londres, não é a minha língua nativa, senti-me sempre um pouco em desvantagem em relação aos outros. Mas enfrentei sempre de frente, e acreditei que era possível”, confessa. Considera-se hoje um homem talhado para os negócios, muito bem-sucedido e que desafiou bastantes tabus apesar de ainda ser muito jovem. No mundo dos negócios, tem uma grande admiração por Warren Buffett.
Neste momento, a sua maior ambição é o sucesso profissional. Diz que está a preparar um projecto bastante ambicioso e que será conhecido brevemente, para ajudar os jovens empreendedores. “Caracterizo-me como um rapaz sonhador e muito optimista, sempre acreditei que tudo pode dar certo e que tenho forças para mudar o mundo”, diz com convicção. E acredita trazer este espírito desde criança dentro de si.
Apesar de se sentir confortável com o que faz, ambiciona também ter um negócio próprio, mas fora do ramo das bebidas espirituosas, e lançar-se em novos desafios no futuro.

O outro lado…
David Moisés é um jovem solteiro, ainda sem filhos, bastante afectuoso e que vê na mãe o seu porto seguro. Revela que era muito inquieto, dava muita maçada à sua mãe. Terá sido este o motivo para ela o ter inscrito na escola de artes marciais, para aí poder descarregar as energias e estar mais tempo entretido.
Diz que se considera hoje um jovem muito teimoso, social e determinado. “Quando quero algo, vou até ao fim, mas não sou do tipo de ultrapassar tudo e todos, meço os limites”, revela.
Amante de world music, o seu estilo preferencial é o romântico. “A minha vida já é bem agitada, por isso prefiro momentos calmos e músicas calmas’’, diz. Gosta muito de dançar e de sair à noite para se divertir e ir ao cinema. No mundo do cinema, admira os actores de Hollywood Leonardo DiCaprio, Denzel Washington e Jude Law. Também diz que é um bom apreciador de bebidas, sendo o uísque a da sua eleição.
Considera-se um homem solidário e preocupado com as causas alheias. “Gosto de pensar sempre qual é que pode ser o meu contributo para dar uma solução a determinados problemas.” “Este também é ponto fundamental para ser embaixador da Chivas’’, revela.
Conta que gosta de estar sempre actualizado, sempre atento às notícias. Aprecia marcas de luxo. Entre as favoritas, a Jaguar e a Ferrari. Nos relógios, prefere os ingleses Bremont.
Um apreciador da comida angolana. Diz que não abre mão de um bom prato de funje de bombó, acompanhado de um bagre fumado e que aos domingos costuma ir à Chicala, em Luanda, comer bom peixe fresco e picante. O gosto por comidas picantes surge no período em que viveu em Banguecoque, capital tailandesa, revela.
“Uma vez fui a um restaurante com um amigo e, posto lá, pedi um prato mas que levasse pouco picante, e eles lá me serviram. Mas, ao invés de o ter como havia pedido, o prato estava tão picante, que, ao dar a primeira garfada, os meus olhos lacrimejaram… [risos]” Este incidente foi uma das várias experiências no contacto rico com a cultura tailandes

Gosta deste artigo? Partilhe!

Deixe o seu comentário

You must be logged in to post a comment.