Mercado

Guerra e Paz: O poder e a aristocracia

19/12/2016 - 13:13, + Mercado, Life & Arts

O romance de Tolstói tem muito mais que ver com a paz do que com a guerra

Por Walter Fernandes

Baseado no romance de Lev Nikolayevich Tolstói (Leão Tolstói), que foi um dos grandes mestres da literatura russa do século XIX. Anna Karenina e Guerra e Paixão as obras mais famosas do escritor.

É dividido em quatro livros (quinze partes) e dois epílogos – um principalmente narrativo, o outro inteiramente temático. Enquanto cerca de metade da novela diz respeito estritamente a personagens ficcionais, um dos dois epílogos da obra consiste substancialmente em ensaios não ficcionais sobre a natureza da guerra, o poder político e a história. Tolstói escreve esses ensaios pela história de uma maneira que desafia a convenção ficcional.

O livro Guerra e Paz, escrito entre 1865 e 1869, é considerado como um dos pilares da literatura mundial. Passa-se principalmente entre três famílias, Bezukhov, Rostov e Bolkonsky, durante as campanhas militares de Napoleão (Guerras Napoleónicas) contra os impérios europeus entre 1805 e 1812.

A história do filme ocorre entre 1805 e 1820, o filme descreve com bastante cuidado e precisão os milhares de nobres da Rússia czarista, abordando diversos temas então; o preconceito e a hipocrisia da nobreza, e também suas tradições religiosas, ao lado da vida quotidiana dos soldados, a questão dos servos, as sociedades secretas e a guerra.

As personagens de Guerra e Pazsão ricamente detalhadas, sendo difícil encontrar na obra um “herói”, apesar de ser Pierre Bezukhov (Henry Fonda) a personagem mais recorrente. Ele, intelectual e filho bastardo de um aristocrata que após a sua morte lhe deixa toda a herança, também não pode fazer a corte a Natasha Rostov (Audrey Hepburn), pois já estava casado com a infiel Helene (Anita Ekberg).

Aparece o príncipe Andrei Bolkonsky (Mel Ferrer), simbolizando os valores e patriotismo do império czar, para narrar a construção de uma nação e o fortalecimento das características de um povo, quando este decide deixar a mulher para ir combater ao lado do seu exército, mas, na batalha, o príncipe Andrei é ferido heroicamente e é feito prisioneiro. Retorna a Moscovo e fica viúvo, e, após um retiro de dois anos, ele interessa-se por Natasha Rostov, filha de um nobre arruinado e grande paixão de seu amigo Pierre Bezukhov.

A personagem Natasha Rostova (Audrey Hepburn) é uma adolescente dividida entre seguir as orientações dos pais e o temor pelo irmão mais velho, enviado ao campo de batalha. Entre os seus afazeres mais frívolos está o amor que aos poucos vai sendo construído por Pierre Bezukhov, e as paixões tempestivas que, nesse meio-tempo, a vão ocupando, como o general viúvo príncipe Andrei Bolkonsky e o conquistador Anatol Kuragin (Vittorio Gassman). As repetidas desilusões abrem caminho no coração da jovem, e ao mesmo tempo em que se torna uma mulher mais madura e sofrida irá descobrir o verdadeiro poder do amor.

O romance de Tolstói tem muito mais que ver com a paz do que com a guerra. Longe de apresentar a guerra como uma experiência virtuosa na qual se forjam a moral, a personalidade e a grandeza de um país, o romance a expõe com todo o seu horror, mostrando em cada batalha a monstruosa carnificina que ela provoca, a penúria e as injustiças que atingem os homens comuns, que constituem a maioria de suas vítimas!

A obra-prima literária ganha vida neste clássico épico, representado pelo talento de alguns dos maiores nomes da época dourada de Hollywood, indicado nas categorias de melhor realizador, melhor figurino e melhor fotografia, esteve indicado ao BAFTA (1957).
É um filme envolto de mensagens e reflexões filosóficas acerca do poder, do luxo da aristocracia, dos deveres patrióticos aos amores impossíveis aos servos libertos.

Gosta deste artigo? Partilhe!

Deixe o seu comentário

You must be logged in to post a comment.