Mercado

O ritmo da guitarra de George Benson

07/04/2017 - 11:29, + Mercado

O notável guitarrista de jazz, nascido em Pittsburg, EUA, a 22 de Março de 1943, é considerado um dos maiores executantes da história.

Por Herlander Tomás 

Benson nasceu numa família de refinados músicos amadores. Aos 6 anos já tinha começado a apresentar-se ao público. Um ano depois, a mãe casou-se com um electricista que também tocava guitarra de jazz amplificada. O jovem George implorou ao padrasto que o ensinasse a tocar. Infelizmente, as suas mãos eram pequenas de mais para alcançar o instrumento em toda a sua extensão, e ele acabou por ganhar um ukulele (pequeno violão de quatro cordas). Mesmo assim, alguns anos mais tarde, Benson ganhou a sua primeira guitarra.

Em 1953, ainda com 10 anos de idade, ele gravou o single“She Makes Me Mad”, nos estúdios da RCA, e mais tarde gravou “Sweet child o’mine” nos estúdios Walt Disney. Benson, apesar da sua tenra idade, não teve uma carreira fácil. Chegou mesmo a ser rejeitado como acompanhante pelos músicos de jazz devido à sua imagem de músico de R&B (rhythm and blues); e, por outro lado a plateia de rock não gostava quando ele tocava jazz.

Em 1963, Benson lança seu primeiro disco, “The New Boss Guitar of George Benson”, pelo selo Prestige, passando ainda por diversas gravadoras durante a década de 60. Até que em 1971 ele assina pela gravadora CTI, onde o produtor Creed Taylor tenta promover um novo estilo musical, fundindo jazz e pop. Pela CTI, Benson começa a crescer cada vez mais no mundo da música, e em 1975 ele alcança o seu primeiro sucesso com “Supership”. A partir de 1976, Benson redireccionou a sua carreira completamente, deixando de lado o jazz e caminhando para o pop.

Em 1977, George Benson gravou pela primeira vez, um dos grandes sucessos de sua carreira: “The Greatest Love of All”, um grande sucesso internacional que foi tema do filme “The Greatest”, uma cinebiografia do grande lutador de boxe Muhammad Ali, lançado no mesmo ano. É George Benson o intérprete original desta canção, e não Whitney Houston. Apesar do seu sucesso, a versão dela é apenas um cover, uma regravação lançada em 1985, oito anos depois da gravação original de Benson, que, um ano depois, gravou novamente “The Greatest Love of All”, dessa vez ao vivo, em seu álbum “Weekend in L.A.”, lançado em 1978. Uma das inúmeras colectâneas de George Benson chama-se “The Greatest Hits of All” (trocando o “Love” por “Hits”), lançada em 2003, em referência a esta linda canção, de autoria do compositor Michael Masser e da falecida Linda Creed.

Ao longo dos anos, Benson continuou a gravar diversos sucessos, entre eles, “This Masquarade”, “Breezin”, “In Flight”, “Nature Boy” e “On Broadway”. Até que, em 1980, o seu disco “Give Me the Night” (produzido por Quincy Jones) conquista o Grammy, com uma suave e dançante combinação musical. Hits floresciam rapidamente na vida de George Benson nos anos 80, à medida que abandonava suas raízes no jazzem busca da acessibilidade do pop. Em 1981, “Turn Your Love Around” chegou ao top30 inglês, enquanto, em 1982, “Never Give up on a Good Thing” se saiu melhor ainda, chegando à 14.ª posição. Em 2006, numa parceria com o cantor Al Jarreau, lançou o álbum “Givin’ It Up, um disco com um repertório variado de estilos abordados sempre com a sua veia jazzística.

Gosta deste artigo? Partilhe!

Deixe o seu comentário

You must be logged in to post a comment.