Mercado

“Toque como Jamal!”

30/11/2016 - 10:55, + Mercado, Life & Arts

A expressão de comando, sugerida pelo seu amigo, o trompetista Miles Davis, e que se propala até hoje como um cartão-de-visita deste pianista, compositor e bandleader, considerado uma lenda viva do jazz.

Por Vânia Andrade

vania.andrade@mediarumo.co.ao 

Frederick Russell Jones, AKA Ahmad Jamal, nasceu há 86 anos e é dos poucos bandleaders de jazz norte-americano ainda vivos. O pianista teve o seu primeiro contacto com um piano aos 3 anos, quando foi desafiado por seu tio a repetir as notas tocadas por ele, e aos 7 começou a ensaiar com o auxílio de Mary Cardwell Dawson.

Com o passar do tempo, foi ganhando traquejo e logo se apaixonou pelo instrumento musical. Chegou a ser influenciado por pianistas como Earl Hines, Errol Garner e por diversos estilos musicais, principalmente o de Pittsburgh, Pensilvânia, nos Estados Unidos da América (EUA), sua cidade natal, e pouco depois foi considerado um prodígio.

O pianista costumava praticar as suas notas musicais com a porta aberta, esperando que alguém o descobrisse, era então o seu maior sonho se tornar conhecido e famoso. Realizou o desejo de se apresentar em público depois da sua revelação aos 14 anos, depois de começar a fazer excursões musicais ao lado de alguns grupos musicais. Em 1950 mudou-se para Chicago, a cidade mais populosa do estado de Illinois, nos Estados Unidos, e teve a oportunidade de formar o seu primeiro trio, chamado Three Strings, constituído por um guitarrista, Ray Crawford, um contrabaixista, Eddie Calhoun, e por ele, o pianista. Apesar de muito influenciado pelos pianistas tradicionais do Centro e Sul dos EUA, Jamal não adoptou o estilo conservador em seu modo de tocar e improvisar.

Em Chicago, o trio tocava nos grandes clubes da cidade. Tornaram-se residentes do Blue Note de Chicago quando começaram a ganhar audiência e popularidade nas noites americanas.

Na sequência de shows, de cidade em cidade, foram reconhecidos por um grande produtor americano que os indicou à Okeh Records, uma gravadora bem-sucedida. Consequentemente, o formato piano-guitarra-baixo não resistiu até aos anos 60, foram obrigados a substituir a guitarra pela bateria, o que alterou consideravelmente a sonoridade e o estilo musical do grupo.
Logo depois, foram contratados para trabalhar no Pershing Hotel, de Chicago, e lançaram o álbum ao vivo But Not for Me. O álbum foi uma bomba musical e permaneceu nas listas dos mais vendidos por 108 semanas consecutivas e apresentou ao público a primeira gravação de Poinciana, sua composição mais requisitada de todos os tempos.

Depois de o trio ter feito uma tournéepor África e a tentativa de um clube em Chicago ter sido um fracasso, Jamal decidiu mudar-se para Nova Iorque no início da década de 1960, e dar uma pausa na cena musical, tendo regressado depois de quatro anos ainda com o formato de trio. Ahmad Jamal gravou mais de 60 álbuns e mantém uma carreira constante.

Actuou ao lado de vários músicos incluindo George Hudson, Richard Davis, Israel Crosby, Jamil Nasser, Frank Gant, James Cammack, Dave Bowler, John Heard, Yoron Israel, Belden Bullock, Manolo Badrena, Gary Burton e Idris Muhammad, entre outros, tornou-se num dos pianistas favoritos de Miles Davis e influenciou bastante o seu trabalho. Longe dos experimentalismos cacofónicos e do virtuosismo improdutivo, o pianista produz música de qualidade, agradável mesmo para os ouvidos menos treinados no universo do jazz. Domina o seu instrumento e linguagem jazzística de tal modo que mantém praticamente em êxtase as suas plateias durante os seus concertos.

Gosta deste artigo? Partilhe!

Deixe o seu comentário

You must be logged in to post a comment.