Mercado

Montantes negociados subiram 43,5% mas houve menos negócios

22/01/2018 - 08:41, Bodiva, featured

Mercado secundário de dívida pública animou a parte do terceiro trimestre de 2017. No total, bolsa movimentou 525 mil milhões Kz.

Por André Samuel

andre.Samuel@mediarumo.co.ao

O montante negociado no Mercado Secundário de Dívida Pública (MSDP) em 2017 cresceu 43,5%, para 525,1 mil milhões Kz, face aos 365,9 mil milhões Kz movimentados em 2016, segundo dados da Bolsa de Dívida e Valores de Angola (BODIVA) referentes ao último mês do ano transacto.
De Janeiro a Dezembro do ano em análise, o montante médio mensal de negociação foi de 43,7 mil milhões Kz, superior em 13,3 mil milhões Kz (44%) aos 30,4 mil milhões Kz de 2016, sendo que os meses com maior montante de negociado foram Dezembro, Novembro e Agosto, com 131,2 mil milhões Kz, 86,2 mil milhões Kz e 62,8 mil milhões Kz, respectivamente.

No que se refere ao número de negócios realizados, constatou-se uma diminuição de 17% face a 2016. No ano passado, registaram-se 1685 negociações, que comparam com as 2039 de 2016. Em média, em 2017, ocorreram 140 negócios por mês, sendo que os meses em que se realizaram mais negócios foram Dezembro, Novembro e Outubro.
O agente de intermediação Banco de Fomento  Angola  (BFA)  liderou  o ranking de montantes negociados (194,7 mil milhões Kz), bem como de negócios realizados (1243), pelo terceiro ano consecutivo. Recorde-se que este banco foi o primeiro agente licenciado pela Comissão do Mercado de Capitais e o primeiro autorizado a operar nos mercados regulamentados da BODIVA.

O Standard Bank Angola manteve o segundo lugar nos montantes negociados, ao somar 170,5 mil milhões Kz, depois de ter figurado no quarto lugar em 2015. Quanto ao número de negócios realizados, este membro de negociação é o terceiro da lista, com 196 operações, depois do BAI (320).

O BAI foi o terceiro na posição de maiores montantes transaccionados, seguido do BIC e do Atlântico. No primeiro trimestre de 2017, ocorreram 271 negócios, movimentando pouco mais de 46 mil milhões Kz, uma diminuição de 39% face ao homólogo. O montante médio mensal de negociação foi de 15,3 mil milhões Kz, sendo que Março foi o mês que apresentou maior volume negociado, com 20,6 mil milhões Kz. Relativamente aos negócios realizados por ano de vencimento, existiu uma maior propensão para negociar títulos de maturidade mais curta. Verifica-se assim que os negócios realizados nas maturidades de 2017, 2018  e  2019  representaram  36%, 43,7% e 11,20%, respectivamente. Em relação ao montante negociado por maturidade, verifica-se a mesma tendência dos negócios realizados, isto é, as maturidades até três anos representam 84,25% do total. Neste contexto, 2017, 2018 e 2019 representaram  16,12%,  54,58%  e 13,55%, respectivamente. Assim, no que se refere aos títulos mais negociados, verifica-se um aumento expressivo do peso dos bilhetes do Tesouro (BT) no total do montante negociado, sendo os três títulos mais transaccionados os BT de 91 e 364 dias. Não obstante, os títulos mais negociados foram de intermediação e os clientes particulares representaram 31,83% e 5,28%, respectivamente.

No que toca às operações de venda, os agentes de intermediação representam 74,63% do montante total, seguidos pelos clientes-empresa (21,43%) e pelos particulares (3,94%).

Mais animação no III trimestre

Se, nos primeiros meses do ano, o cenário não foi animador para o mercado, o quadro reverteu-se no terceiro trimestre, com o MSDP a registar 524 negócios e movimentando um total de 134,1 mil milhões Kz, um aumento de 24,96% face ao homólogo. O montante médio mensal de negociação foi de 44,7 mil milhões Kz, sendo que Agosto foi o mês em que se registou o recorde de negociação até final daquele trimestre.

No que se refere aos comitentes finais dos negócios realizados durante o terceiro trimestre, prevaleceram os agentes de intermediação e dos clientes-empresa, que responderam, respectivamente, por 53,45% e 41,99% do montante negociado. Os particulares representaram 4,55%. Por operações de compra, verificase que os cliente- empresa representaram 76,20% do montante total, e os agentes de intermediação e os particulares, 16,64% e 7,16%, respectivamente. No que se refere às operações de venda, os agentes de intermediação representaram 78,36% do montante total, seguindo-se os clientes- empresa e os particulares (20,23% e 1,41%, respectivamente). Numa análise mais profunda, vê-se que as empresas do sector do comércio a grosso e a retalho foram as que mais negociaram na posição compradora, com um total de 30,22 mil milhões Kz, o que se deve-se ao facto de utilizarem os títulos indexados para se protegerem da desvalorização cambial. Os principais vendedores foram as empresas de construção, com 17,76 mil milhões Kz, seguidas do sector de prestação de serviços (4,75 mil milhões Kz). Estas, registe-se, foram as empresas que mais obtiveram títulos de dívida pública por conta de pagamentos de serviços prestados ao Estado, tendo sido depois comercializados no mercado secundário.

Gosta deste artigo? Partilhe!

Deixe o seu comentário

You must be logged in to post a comment.