Mercado

Mercado accionista americano mais atractivo no final deste ano

09/06/2017 - 09:17, Bolsa Internacional

O índice de confiança dos investidores e das empresas há-de melhorar face à actual conjuntura de crescimento.

Por André Samuel 

andre.samuel@mediarumo.co.ao 

Os investidores têm fortes razões para apostarem nos mercados accionistas nesta segunda metade do ano segundo, recomenda o banco de investimento norte-americano Morgan Stanley, destacando que devem aproveitar o ‘ciclo benigno’ do crescimento económico.

O banco recomenda aos seus clientes que apostem estimando retornos generosos, uma vez que o actual ciclo económico é o melhor desde 2008. Por outro lado, o índice de confiança dos investidores e das empresas há-de melhorar face à actual conjuntura norte-americana de crescimento auto-sustentável e sincronizada, uma inflação contida e a retirada gradual dos estímulos.

O clima económico gerou, no início do mês, algum cepticismo em relação possíveis subidas da taxa da Fed. A reunião do Federal Open Market Committee (Comité Federal de Mercado Aberto, ou FOMC, no acrónimo inglês) levanta dúvidas aos investidores face à projecção do banco central para aumentos adicionais após relatórios “suaves” sobre o emprego e a inflação dos EUA.
Segundo a Bloomberg, a Goldman Sachs Group Inc divulgou, na passada sexta-feira (2 de Junho), a previsão de um terceiro aumento da taxa até no último trimestre do corrente ano.

A negociação em contratos de futuros mostra que as possibilidades de um aumento em Setembro caíram apenas um quarto, e os investidores agora classificam os preços em menos de uma subida de taxas em 2018 pela primeira vez desde a véspera das eleições dos EUA em Novembro.

Para o presidente da Fed de Dallas, Robert Kaplan, se os EUA não estiverem já no pleno emprego, estão próximos disso. Já Jonathan Wright, professor de Economia da Universidade Johns Hopkins em Baltimore, afirmou ficar surpreso caso a taxa não suba este mês, mesmo com actuais indicadores favoráveis.

Nos EUA, a taxa de desemprego caiu para 4,3%, abaixo do que FOMC estima ser o pleno emprego. A média de ganhos por hora aumentou 2,5% em relação ao ano passado, indicando que um mercado de trabalho apertado não trouxe aceleração nos salários. O FOMC aumentou a taxa em Março deste ano e, na altura, previu mais dois aumentos para este ano e três em 2018. Estas previsões trimestrais serão actualizadas este mês.

Leia mais na edição nº107 do Jornal Mercado, já nas bancas. 

Gosta deste artigo? Partilhe!

Deixe o seu comentário

You must be logged in to post a comment.