Mercado

Cobranças na ENSA diminuem 7% no primeiro semestre do ano

19/10/2015 - 14:42, Markets

A seguradora registou um crescimento na ordem dos 10% em comparação com o mesmo período do ano passado, resultante do pagamento de novas apólices. A taxa de cobranças de seguros na Empresa Nacional de Seguros de Angola (ENSA) decaiu cerca de 7% no primeiro semestre do ano, em relação ao período homólogo de 2014, disse […]

A seguradora registou um crescimento na ordem dos 10% em comparação com o mesmo período do ano passado, resultante do pagamento de novas apólices.

A taxa de cobranças de seguros na Empresa Nacional de Seguros de Angola (ENSA) decaiu cerca de 7% no primeiro semestre do ano, em relação ao período homólogo de 2014, disse ao Mercado o chairman da instituição.

Manuel Gonçalves notou na ocasião que a descida nos níveis de cobranças nos primeiros seis meses do ano é compreensível no contexto macroeconómico actual, marcado pela descida do preço do petróleo no mercado internacional, principal commodity do País.

O facto é que há clientes que não fazem a renovação dos seguros, mas, tal como afirmou, é compensada pelos novos seguros, realizados ao longo do semestre. O que justifica também o crescimento da empresa em 10% no primeiro semestre do ano em curso.

“Crescer 10% numa época de crise é extremamente significativo”, disse, lembrando que o facto tem que ver com o aumento registado a nível da carteira de prémios da seguradora. Há agora a necessidade de se trabalhar na melhoria da taxa de renovação de seguro.

Manuel Gonçalves pontualiza que, ao mesmo tempo, é necessário ter em conta que, na actividade seguradora, verifica-se um movimento económico invertido, em que as pessoas pagam primeiro os prémios, e só depois acontecem as indemnizações.

Recorda que, antes do pagamento dos prémios, há emissão de recibos, que é feita de forma automática pelo próprio sistema. Assim sendo, afirma, sendo a produção feita de forma automática, grande parte dela não vai ser objecto de pagamento por parte dos segurados.

“Com efeito, apenas chegando ao fim do ano, é possível determinar a produção fictícia e a produção real não anulada, aceite e que foi objecto de pagamento”, esclarece Manuel Gonçalves.

Novas medidas

Para contrapor a actual tendência de queda nas taxas de renovação do seguro pelos clientes, a ENSA tomou um conjunto de medidas extraordinárias, segundo o chairman da instituição.

Manuel Gonçalves anunciou que foi melhorada a forma de pagamento, através do sistema da rede multicaixa, e foram igualmente criadas condições para que o pagamento dos prémios de seguro fosse feito de forma facilitada e segura.

Trata-se do sistema ADC – Autorização de Débito Automático em Conta. Lançado em Julho do corrente ano, o entrevistado informa que o sistema permite que os segurados passem a pagar a maior parte dos produtos de seguros mensal, trimestral e semestralmente, de acordo com a sua escolha, sem precisarem de sair de casa.

Acrescenta que o mecanismo proporciona maior facilidade do ponto de vista económico, maior comodidade, bastando para o efeito o preenchimento de um formulário nos balcões da ENSA para autorização do débito na conta do segurado, num determinado banco, a favor da seguradora.

“Criámos todas as condições tecnológicas e de processos para a concretização do projecto que hoje é, indiscutivelmente, uma das grandes vantagens para os nossos clientes”, afirmou. Reforça ainda que o sistema de débito não funciona para os seguros cujo pagamento tem de ser feito imediatamente, por força das circunstâncias, como é o caso do seguro de saúde e viagem.

Por: Estevão Martins

Gosta deste artigo? Partilhe!

Deixe o seu comentário

You must be logged in to post a comment.