Mercado

Investidores negoceiam títulos com maturidade até 2019

24/04/2017 - 12:24, Bolsa Internacional, Markets

Cerca de 91% das negociações realizadas em bolsas no primeiro trimestre representaram compras de títulos com maturidades de até 3 anos.

Por André Samuel 

andre.samuel@mediarumo.co.ao 

A negociação de títulos com prazo não superior aos três anos marcou a apetência dos investidores nos primeiros meses do corrente ano, com destaque para aqueles que vencem em 2017, 2018 e 2019, revela o relatório de negociação da Bolsa de Dívida e Valores de Angola, BODIVA.
Durante o primeiro trimestre, os títulos com a maturidade datada para o final do ano totalizaram 16,6 mil milhões Kz, dos quais 10,1 mil milhões foram transaccionados em Março, a maior movimentação do período para este prazo.

Mas importa salientar que, nos três meses que marcam a abertura do ano, os investidores preferiram, de forma equilibrada, mês após mês, a compra de títulos com a maturidade a vencer em 2018, tendo esta compra arrecadado um montante aproximado aos 20,1 mil milhões Kz. Os títulos com a maturidade para 2019 movimentaram um volume de negócio de 5,1 mil milhões Kz.

O preço médio dos negócios realizados, por maturidade, foi de 99,71% para os títulos que vencem ainda neste ano, 101,32% para os vencidos em 2018, e 98,21 para 2019.

Em termos do pricing praticado nos negócios realizados durante o mês em análise, verifica-se a continuidade do estabelecimento de preços mais baixos nas maturidades mais longas, o que mais uma vez confirma a menor apetência do mercado para investimento de longo prazo.

Abaixo apresentamos o preço médio dos negócios realizados, de acordo com o ano de vencimento.

Olhando especificamente para o relatório de negociação de Fevereiro do corrente ano, relativamente aos títulos mais negociados, verifica-se que o título mais negociado foi um bilhete do Tesouro, o que de certa maneira confirma a maior apetência pelos investimentos de curto prazo que actualmente apresentam taxas de remuneração mais atractivas.

No que se refere às maturidades mais negociadas pelos membros negociadores, verificamos que o SBA privilegia a negociação de títulos de maturidade reduzida, com especial apetência para os bilhetes do Tesouro e obrigações com vencimento em 2018. Já o BFA, apesar de ter iniciado a negociação de bilhetes do Tesouro, ainda mantêm a preferência por títulos indexados ao USD com maturidades entre 2018 e 2020.

Não obstante os dados confirmarem uma predominância das obrigações do Tesouro no montante negociado, também verificamos um aumento do montante negociado sobre bilhetes do Tesouro, que no período em análise representou 24% do montante total transaccionado, sendo que em todo o ano de 2016 representou apenas 1,13%.

No entender da BODIVA, este aumento da procura por bilhetes do Tesouro é motivado por três factores, nomeadamente, o recente aumento das taxas de remuneração no mercado primário, que na ocasião se situava acima dos 20%, a maior preferência por activos de curto prazo, dado o actual contexto de mercado, e, por fim, o cenário de estabilidade cambial, que retira atractividade aos títulos indexados ao dólar norte-americano, sendo que os BT surgem como alternativa de investimento.

No que se refere à análise do período homólogo, verificamos que as tendências se mantêm, isto é, continua a existir um maior número de negócios sobre obrigações do Tesouro, sendo que, dos 173 negócios realizados, apenas 2 foram sobre bilhetes do Tesouro, representando 1,2% do volume total dos negócios.

Gosta deste artigo? Partilhe!

Deixe o seu comentário

You must be logged in to post a comment.