Mercado

Conhaque é conhaque, Serviço é serviço

26/10/2016 - 16:00, Opinião

Este velho aforismo popular tem toda a actualidade, podendo ser aplicado na situação em que se pretende separar os temas profissionais dos particulares de todos quantos trabalham na empresa.

Por Campos Vieira

Não está em causa obviamente impedir em absoluto, de resto impossível, que o colaborador traga para o interior da organização os seus assuntos pessoais, como, de modo inverso, o mesmo deixe de transportar para casa os assuntos profissionais.

Indiscutivelmente que se mostra salutar, para todos, levar às últimas consequências o princípio: enquanto estamos na empresa, devemos trabalhar; enquanto fora da mesma, devemos gozar o nosso descanso.

Aqui se entronca a teoria hoje tanto em voga sobre o equilíbrio que deve ser garantido entre a vida profissional e a vida pessoal.
É que, com a proliferação dos telemóveis e computadores pessoais, estamos a assistir profusamente à invasão da vida privada dos colaboradores, aos quais é exigido tratar de assuntos profissionais fora das horas de serviço.

Por outro lado, constata-se que durante o horário de serviço o colaborador, com frequência, visita a Internet e usa o telefone por motivos particulares, discute exageradamente o desporto favorito, reporta longamente a experiência do último fim-de-semana ou das últimas férias, em prejuízo, quantas vezes, do serviço ao próprio público que está à sua frente para ser atendido.

Esta mistura afecta, a um tempo, a produtividade na empresa e a qualidade na vida pessoal. A separação de águas é, por isso, aconselhável.
Enquanto estamos na empresa, devemos estar concentrados nas nossas funções, dar o máximo do nosso esforço, prosseguir com o maior foco os objectivos pretendidos, sermos os melhores profissionais!

Em contrapartida, sendo pontuais na entrada ao serviço, devemos também sê-lo na saída: há um outro mundo para além das empresas, no sentido de aprender, estudar, ler, conviver, fazer desporto, relaxar, entreter, partilhara sociedade e atender a família. Assim garantimos o melhor equilíbrio físico, emocional e espiritual do colaborador, por direito próprio para a sua vida pessoal, mas também, como condição, para estar sempre nas melhores condições para trabalhar e assim dar o máximo na sua profissão.

Esse máximo passa, sem dúvida, por o trabalhador, durante as horas de serviço, não despender tempo em assuntos fora da sua profissão, devendo ser rigoroso no seu comportamento e, inclusive, usando de severidade e coragem, sendo chefia, recriminando os colaboradores indulgentes e prevaricadores nesse domínio.

Enfim, sigamos com toda a propriedade, a começar pelos gestores, o verdadeiro axioma organizacional e comportamental, na empresa e na vida, que constitui o ditado “conhaque é conhaque, serviço é serviço”!

Gosta deste artigo? Partilhe!

Deixe o seu comentário

You must be logged in to post a comment.