Mercado

Circulação de moedas metálicas abaixo do projectado

23/11/2015 - 02:58, Uncategorized

O Banco Nacional de Angola (BNA) pôs em circulação 240 mil moedas metálicas, no valor facial de 50 Kz e 100 Kz, das 100 milhões de cédulas emitidas. A quantidade de moedas metálicas postas a circular, recentemente, é consequência da falta de condições de armazenamento do número de cédulas emitidas, informou Ramos da Cruz, administrador do BNA para o Meio Circulante, em declarações à imprensa, durante a apresentação dos […]

O Banco Nacional de Angola (BNA) pôs em circulação 240 mil moedas metálicas, no valor facial de 50 Kz e 100 Kz, das 100 milhões de cédulas emitidas.

A quantidade de moedas metálicas postas a circular, recentemente, é consequência da falta de condições de armazenamento do número de cédulas emitidas, informou Ramos da Cruz, administrador do BNA para o Meio Circulante, em declarações à imprensa, durante a apresentação dos novos meios monetários circulantes.

Desta forma, segundo o administrador, a introdução das restantes cédulas metálicas, no valor facial de 50 Kz e 100 Kz, vai acontecer nos próximos
tempos, em função da necessidade do mercado. A recepção das mesmas será por via marítima. Com a entrada dos respectivos meios monetários, passam a coabitar na economia angolana duas espécies de cédulas, metálica e papel-moeda, nos valores mencionados.

A espécie metálica de 50 Kz foi introduzida com o propósito de substituir, imediatamente, a de papel-moeda, como informou Ramos da Cruz. Assim, a troca das mesmas processar-se-á na retenção da nota de papel quando esta chegar ao banco. Quanto às notas de 100 Kz, elas vão circular em simultâneo durante três ou quatro anos, depois deste período o BNA vai decidir se mantém a espécie em papel-moeda na economia, apesar do custo de produção, se comparado com a moeda à base de metal.

As notas de 50 Kz e 100 Kz (papel moeda) representam 43% do total da massa monetária injectada na economia, conforme disse António Ramos
da Cruz. Este facto tem impacto na velocidade de circulação das mesmas, o que provoca a deterioração num período de três meses, consubstanciando-se em gastos avultados para o Estado, disse.

Sendo assim, os gastos com a emissão de cédulas nos valores supracitados serão mitigados, como declarou aquele quadro sénior do BNA, porque
as moedas metálicas têm um prazo de durabilidade superior a nove meses, em relação ao papel-moeda. Ramos da Cruz considera oportuna a injecção de moedas metálicas e nos respectivos valores faciais, cujo custo foi de 1,5 milhões USD, porque ocorre num momento em que se constata o aumento pela procura por parte dos agentes económicos nacionais.

“Todos os dias vêm aqui entidades trocar notas em papel por moedas metálicas”, disse António Ramos da Cruz, administrador do BNA para o Meio Circulante, referindo-se à constante afluência de agentes económicos na Caixa de Troco do Banco Central. Apesar da procura dos agentes, o mercado monetário tem moedas metálicas suficientes para suportar a demanda, neste momento conta com 243 milhões cédulas desta espécie, como afirmou, diante da imprensa, aquele quadro sénior do BNA.

Características e segurança As moedas são unicolores, apresentam na face a designação “República de Angola” e o hastear da bandeira no acto da proclamação da independência nacional, em 11 de Novembro de 1975. Um elemento adulto, representando sobrevivente da luta de libertação, e uma criança a simbolizar o pioneiro angolano.

A moeda de 50 Kz tem cor metalizada, ao passo que a de 100 é revestida de bronze, sendo ambas semi-serrilhadas. Foram produzidas pela Royal Mint, da Casa Real de Londres, Inglaterra. Desta forma, a espécie monetária metálica angolana, sob supervisão do BNA, órgão emissor, é composta pelos seguintes valores faciais: 50 cêntimos, 1 Kz, 5 Kz, 10 Kz, 20 Kz, 50 Kz e 100 Kz.

António Ramos da Cruz aproveitou o momento de apresentação das novas moedas para garantir que os níveis de segurança da moeda nacional contra
a falsificação são altos. “No meu ponto de vista, vamos introduzir níveis de segurança que lhes permitam circular sem quaisquer constrangimentos”,
declarou.

A declaração do administrador do BNA para o Meio Circulante também serviu para aclarar que a introdução das novas moedas metálicas está longe
de anunciar possíveis alterações profundas ou pontuais no kwanza, de uma forma geral, uma vez que pode ocorrer passado um período de sete anos.

Por: Fernando Baxi

Gosta deste artigo? Partilhe!

Deixe o seu comentário

You must be logged in to post a comment.