Mercado

Propostas da semana

10/09/2015 - 14:27, + Mercado, Lazer, Uncategorized

Nova Iorque, através do Metropolitan Museum of Art, abre portas e janelas à cultura de Angola. Na actualidade, as devastadoras e marcantes consequências da guerra civil em fotografias a preto e branco; da ancestralidade, o poder e a majestade do Reino do Congo em figuras dos mestres escultores. Em Luanda, temos a música do Brasil, numa parceria cultural que nunca se perdeu mas que se recupera agora, ainda mais, com Martinho da Vila como rosto de um cartaz de excelentes cantores e músicos. No Sudoeste da França, em Lège Cap Ferret, uma exposição lembra momentos inéditos da vida de Le Corbusier, quando se assinalam os 50 anos da sua morte.

1. Angola no Met
2. Reino do Congo, em NY
3. Le Corbusier
4. Inéditos
5. Himalayan Nilo Birkin, da Hermès
6. Jóias com causas
7. Em Luanda, o Brasil

1 . Angola no Met

The Aftermath of Conflict é uma exposição da fotógrafa sul-africana Jo Ractliffe sobre as consequências da guerra em Angola (1975-2002) e também na África do Sul.
A partir de agora e até Março de 2016, uma exposição a preto e branco sobre uma realidade que nos é próxima – no tempo e na memória, em 23 fotografias, imperdíveis.
No Metropolitan Museum of Art. Olhares sobre deslocamento, conflito, história, memória e apagamento.

Saiba mais em: http://www.metmuseum.org/exhibitions/listings/2015/jo-ractliffe

2. Reino do Congo, em NY

Kongo –  Power and Majesty  é uma outra exposição que dentro em breve poderá ver no Metropolitan Museum of Art, também ela relacionada com a identidade angolana. Nova Iorque, através de uma das suas mais relevantes instituições, abre as portas ao mundo da nossa cultura ancestral. São 134 figuras dos mestres do Reino do Congo, do séc. XVI ao início do séc. XX. Muitas dessas figuras funcionavam como missivas enviadas aos europeus na Era dos Descobrimentos.

Saiba mais em: www.metmuseum.org/exhibitions/listings/2015/kongo-power-and-majesty

3. Le Corbusier

Quando passam 50 anos da morte de um dos ‘pais fundadores’ da arquitectura moderna, é tempo para recordar Le Corbusier. No caso, com uma exposição, em Lège Cap Ferret, no Sudoeste da França. Quando pensamos que sabemos tudo sobre avida e obra de uma das personalidades mais marcantes do séc. XX, Le Corbusier, mês années sauvages sur le Bassin (1926-1936) mostra que assim não é. Vale a pena a viagem e a visita à Médiathèque de Cap Ferret até 23 de Setembro.

Saiba mais em: www.mediatheque-legecapferret.fr/

4. Inéditos

In and Out of the Studio, Retratos Fotográficos da África Ocidental é uma exposição que poderá ver noMetropolitan Museum of Art até Janeiro de 2016. 100 anos em fotografias (de 1870 a 1970), dentro e fora do estúdio, muitas delas absolutamente inéditas. Fotografias, cartões postais e negativos originais de fotógrafos profissionais e amadores do Senegal, dos Camarões, Mali ou Gabão, com um vocabulário estético comum e de surpreendente modernidade.

Saiba mais em: www.metmuseum.org/exhibitions/listings/2015/in-and-out-of-the-studio

5. Himalayan Nilo Birkin, da Hermès

A carteira mais cara do mundo é Hermès, pois claro! Tem pele de crocodilo e uns 18 quilates em diamantes num fecho em ouro branco. Custou alguns milhares de dólares (222 mil USD) e tornou-se um objecto único e raro mas mãos privilegiadas de quem a possui. Não precisa de tanto para ter uma, mas apresse-se, porque a actriz e cantora francesa que deu o nome a tão icónica carteira, Jane Birkin, recusa-se a ser associada a uma marca que usa peles verdadeiras.

6. Jóias com causas 

Pippal Small, a designer de inspiração étnica que vive entre Londres e Los Angeles, trabalha com uma instituição de caridade afegã, recuperando artes e ofícios tradicionais do país e criando jóias, e os benefícios das vendas vão para a instituição. Já o tinha feito com uma outra instituição do Quénia. Tom Ford, Nicole Farhi ou Phobe Philo estão entre os que já elogiaram o seu trabalho criativo e humanitário.

7. Em Luanda, o Brasil

Um evento co-produzido pelo Instituto de Desenvolvimento Educacional Internacional de Angola (IDEIA) e pela embaixada do Brasil em Angola vai trazer a Luanda os grandes músicos do Brasil, como Martinho da Vila, Elba Ramalho, Francis e Olívia Hime, Geraldo Azevedo, Mart’Nalia, Miúcha, Mariene de Castro, Nei Lopes e Yamandu Costa. Acontece em 9 de Setembro.

Gosta deste artigo? Partilhe!

2 Comentários

Deixe o seu comentário

You must be logged in to post a comment.