Mercado

BCGA e BCI registam queda nos depósitos no primeiro trimestre

21/08/2017 - 09:14, Banca

Ambas as instituições apresentaram taxas altas nos rácios de transformação de depósitos em créditos, no primeiro trimestre de 2017.

Por Fernando Baxi 

fernando.baxi@mediarumo.co.ao 

O primeiro trimestre de 2017 foi “adverso” para os bancos Caixa Geral Angola (BCGA) e de Comércio e Indústria (BCI), relativamente aos depósitos, pois houve uma diminuição de 7,9% e 4,5% nas respectivas carteiras, face ao período homólogo, segundo cálculos do Mercado, com base nos balancetes daquelas instituições financeiras.

A carteira de depósitos do Banco Caixa Geral Angola (BCGA), no primeiro trimestre de 2016, estava avaliada em cerca de 253,2 mil milhões Kz, passando para quase 232,9 mil milhões, no mesmo período em 2017.

Tal facto reflecte um recuo de aproximadamente 20,3 mil milhões Kz, quanto à captação de recursos de clientes.

Apesar do recuo na captação de clientes, no primeiro trimestre de 2017, a taxa do rácio de transformação de depósitos em créditos foi de 39,9%, mais 7,1 pontos percentuais comparativamente ao exercício homólogo (32,8%). O banco nacional cujo PCE é Fernando Marques esteve próximo de atingir a meta considerada mínima ideal, 40%.

A subida do rácio de transformação de depósitos em créditos, no primeiro terço do presente exercício económico, sinaliza uma maior concessão de créditos, por parte do BCGA, em relação ao período análogo, como considera Walter Guimarães, contabilista bancário, chamado a falar sobre a evolução dos depósitos nos considerados intermédios.

Os indicadores numéricos testificam os argumentos acima avançados porque a carteira de créditos no primeiro trimestre de 2017 foi cerca de 92,9 mil milhões Kz, enquanto no mesmo período de 2016, fora de aproximadamente 83 mil milhões Kz, um crescimento de 11,9%, para 9,9 mil milhões Kz. “O BCGA concedeu mais créditos.”

Rácio de transformação do BCI ultrapassa 40%

Relativamente ao Banco de Comércio e Indústria (BCI), no primeiro trimestre de 2017, a carteira de depósitos estava cifrada em cerca de 101,9 mil milhões Kz; no período análogo transacto foi de 106,7 mil milhões Kz. Uma queda de quase 4,8 mil milhões Kz.

À semelhança do BCGA, também houve uma subida da taxa do rácio de transformação dos depósitos em créditos, no primeiro trimestre de 2017, tendo-se fixado em 51,9%, mais 9,2 pontos percentuais face ao exercício homólogo transacto (42,7%).

A elevação do rácio de transformação nos primeiros três meses do exercício económico 2017 também traduz o aumento na concessão de créditos por parte do BCI, se comparado ao mesmo período de 2016, na perspectiva de Walter Guimarães.

No primeiro terço de 2017, a carteira de crédito do BCI foi cerca de 52,9 mil milhões Kz, enquanto no mesmo período do ano transacto estava avaliada em quase 45,6 mil milhões Kz, que pressupõe um crescimento de 16%, para 7,3 mil milhões Kz. A carteira de depósitos, cifrada em cerca de 57,1 mil milhões Kz, também contraiu no Finibanco, na relação com o primeiro trimestre de 2016 . A contracção foi de 13%, perto de 8,7 mil milhões Kz.
O respectivo banco também registou uma queda no rácio de transformação dos depósitos em créditos comparativamente ao primeiro trimestre de 2016, baixando de 61,4% para 44,9%. Também no primeiro trimestre de 2017, verificou uma diminuição na carteira de créditos, de cerca de 36,5 % ( 14,7 mil milhões Kz), relativamente ao exercício homólogo.

Standard Bank em sentido oposto

A carteira de depósitos do Standard Bank Angola (SBA), no primeiro trimestre de 2017, ficou estimada em 340,7 mil milhões Kz; um crescimento de 10,6%, para cerca de 32,5 mil milhões Kz, face ao período homólogo, cuja cifra foi de quase 308,2 mil milhões Kz.
Embora tenha registado uma evolução positiva, no exercício referenciado, o rácio de transformação de depósitos em créditos foi de aproximadamente 12,7%, o que demonstra a franca alavancagem da instituição bancária liderada por António Coelho, presidente da comissão executiva.
No primeiro trimestre de 2016 foi 18,7%. Ainda no primeiro trimestre de 2017, a carteira de créditos do SBA estava quantificada em cerca de 43,4 mil milhões Kz, ao passo que no exercício análogo transacto foi de aproximadamente 57,6 mil milhões Kz, reflectindo recuo de 24,7%, cerca 14,3 mil milhões Kz.

Pelo rácio de alavancagem pode-se perceber que o SBA reduziu a concessão de crédito, é uma “estratégia para garantir a estabilidade, porque quanto menos for o rácio, menor será a necessidade de financiamento do próprio banco, uma vez que os depósitos fazem a cobertura dos empréstimos feitos pelas instituições financeiras ”, disse Walter Guimarães.

Com a carteira cifrada em perto de 92,5 mil milhões Kz, o Banco Keve também teve uma evolução positiva nos depósitos, no primeiro trimestre de 2017, de cerca de 4,5%, face ao período homólogo, em que o volume de recursos captados sobre os clientes foi de quase 88,5 mil milhões Kz.

Gosta deste artigo? Partilhe!

Deixe o seu comentário

You must be logged in to post a comment.