Mercado

DStv Angola prepara serviço de net e aplaude novo operador de TV

12/12/2017 - 09:19, Business, featured

Entrada de novo operador de TV por subscrição é benéfica para o mercado e consumidores, diz director-geral. Produção nacional é para manter.

Por  Vânia Andrade 
vania.andrade@mediarumo.co.ao

A DStv Angola vê com bons olhos a entrada no mercado de um novo operador de TV por subscrição, garantiu o director-geral da empresa. Eduardo Continentino, que falava, nesta terça-feira ao Mercado, à margem de um balanço da actividade da companhia no País, sublinhou que o aumento da concorrência é benéfico para os consumidores, sobretudo. E revelou que a empresa pode, em breve, lançar um serviço de Internet.

“O eventual aumento do número de operadores será bem recebido por nós”, afirmou o gestor, aludindo ao surgimento, previsto para o próximo ano, de uma nova companhia que fornecerá serviços de pay TV, Internet e telefonia móvel. “Servirá para nos motivar a manter o nível de qualidade dos nossos serviços, de modo a termos mais musculatura para competir”, acrescentou.

A empresa do Grupo Multichoice, de origem sul-africana, está focada no entretenimento de televisão, mas a inclusão de um serviço de Internet nos seus pacotes tem relevância, pelo que poderá surgir “em breve”, afirmou. “Sabemos da importância que o serviço de Internet tem para os nossos clientes, portanto, vamos trabalhar num produto que vai chegar muito perto disso, e em breve iremos anunciá-lo”, revelou.

O gestor da companhia que está quase há duas décadas a actuar no mercado angolano destacou que, neste ano, marcado pela abertura de 10 novas lojas, houve um “considerável crescimento” da base de clientes face ao ano passado.
A empresa investiu em 2017 cerca de 600 mil USD e lançou novos produtos, nomeadamente o Explora 2, um novo descodificador, e tem apostado continuamente na expansão da sua presença e distribuição de sinal pelo País. O director-geral destacou ainda a exclusividade da transmissão do campeonato mundial de futebol de 2018 e a renovação da Premier League por mais dois anos.

A criação de uma direcção de cliente, disse Eduardo Continentino, reflecte a nova visão da DStv. “Decidimos valorizar mais e melhor os nossos clientes, e prometemos levar o melhor entretenimento, com qualidade, e da forma mais acessível”, garantiu.

Numa altura em que se mantém a dificuldade de obtenção de divisas, a DStv prevê continuar a investir em conteúdos locais, como o Maison AfroChic, que foi “um grande sucesso”, com actores e a produção local, e a Tropa dos Tuneza, apresentados pelos canais exclusivos da operadora, Palanca TV e Banda TV, respectivamente. “Apesar de serem conteúdos locais, continuam a ter uma influência muito forte da moeda estrangeira, o que não nos dá a possibilidade de fazer os pagamentos na totalidade em kwanzas”, afirma.

Novo método de pagamento em 2018

O novo método de pagamento, com cartões de recarga que serão comercializados em todos os pontos de atendimento da DStv e por vendedores ambulantes, deverá começar a funcionar em Março ou Abril de 2018, revelou o gestor. Sobre a suspensão das transmissões de canais da SIC, Eduardo Continentino explicou estarem em causa “questões comerciais”, mas adiantou que estão a decorrer negociações com vista ao seu regresso à grelha. “As negociações prosseguem, e eu não posso afirmar se vão terminar bem ou não. Não posso afirmar que a SIC voltará, mas asseguro que esta negociação poderia ter acontecido com qualquer outro canal”, afirmou. Após classificado o ano passado como tendo sido “cruel” para o negócio de entretenimento televisivo, os investidores continuam a acreditar no desenvolvimento do mercado angolano e prometem continuar a investir, para atingir as metas traçadas.

Divisas são “grande problema”

“Neste ano já conseguimos ter algum retorno de receitas, mas o nosso grande problema continua a ser a questão das divisas”, diz o gestor. “Tem sido uma grande dificuldade, porque trabalhamos com conteúdos, que são o nosso grande património e, embora tenhamos conteúdos locais, em dólares ou euros”, explicou ainda.
Actualmente, a DStv Angola conta com 315 colaboradores directos, dos quais 98% são nacionais, e mais de mil indirectos (agentes e instaladores). Segundo a Naspers Limited, grupo sul-africano que detém a Multichoice e a DStv Angola, o negócio sul-africano continuou a gerar lucros e fluxos de caixa saudáveis, apesar de um cenário económico enfraquecido.

Na África subsariana, o negócio continua a enfrentar desafios macroeconómicos e moedas fracas, mas o crescimento contínuo da base de clientes e o controlo de custos permitem prever um regresso à rentabilidade nos próximos anos.

Gosta deste artigo? Partilhe!

Deixe o seu comentário

You must be logged in to post a comment.