Mercado

“Não será fácil, mas vamos tornar Angola auto-suficiente”

01/12/2017 - 14:27, Business, featured

As palavras comoventes do homenageado, Manuel Nunes Júnior, que deixa a presidência do júri, num dos momentos-auge do evento da Deloitte.

Por Nilza Rodrigues 
n i l z a . r o d r i g u e s @ m e d i a r u m o . c o . a o

Naquela que foi a edição dos Sirius dedicada ao Povo e à Pátria, Manuel Nunes Júnior foi o grande homenageado da noite, pelo seu contributo para com o País e pela sua dedicação ao longo de sete edições em que se premeia a excelência da gestão e do gestor.

“O  povo  angolano  é  um  povo heróico e generoso. Passou por dificuldades imensas e conseguiu atingir a paz. Agora, tem pela frente desafios de grande importância, como o do verdadeiro desenvolviment o económico, forte e competitivo, que possa aumentar o rendimento e a qualidade de vida de todos os angolanos. Não é uma batalha fácil, mas vamos fazer com que Angola seja auto–suficiente”, disse.

As palavras comoventes do actual ministro do Estado – que deixa assim a presidência do júri dos Sirius – num Deloitte, com Matias Damásio a pôr gestores e administradores a nata da economia nacional a acenar simbolicamente com um lenço branco ao som do Poema de Angola.

Porque “ser angolano é mais do que nascer em Angola. É fazer, de facto, algo pelo nosso País”, conforme cantou  Matias.  Os  prémios,  os  dez prémios, foram sendo conhecidos entre palmas e palavras de reconhecimento. Vítor Alves, eleito Empreendedor do Ano, aos 82 anos, partilhou uma experiência  de  vida  ímpar  com  a criação da UNAR, indústrias alimentares, falou de sonhos, de terras que precisam de ser trabalhadas, das potencialidades  do  campo  e  da  importância de prémios como estes, que servem de “combustível” para os empreendedores. ‘Combustível’ também é o investimento directo estrangeiro, categoria onde, neste ano, venceu a Acail Angola, para quem “o investimento não foi só de capital, mas também de tecnologia, know-how,  uma  aposta contínua  na  qualidade  e  na  formação”.Também a Novagrolíder, vencedora do prémio Melhor Empresa Exportadora, aposta na formação e “na luta diária para que a agricultura seja cada vez mais produtiva e tecnológica.

“Estamos empenhados na exportação e a tentar sempre criar produtos novos. Tem de haver essa vontade.” Duarte Galhardas, o partner da Deloitte Angola, acentuou a importância dos galardões, por “reconhecerem as empresas e os gestores angolanos que mais têm contribuído para a balança comercial do País”, de forma a criar valor acrescentado para Angola, onde a consultora está presente há já duas décadas.

“Gerir no contexto actual é desafiante, mas compensador. Até onde nos leva o mundo digital? Até que ponto os robôs vão dominar o mundo? Como nos iremos relacionar?”, questões que o Gestor do Ano, António Nunes, PCE da Angola Cables, deixou para uma meditação maior, numa altura “em que as nossas vidas são cada vez mais influenciadas pelas tecnologias”.

Sem  esquecer  os  sonhos.  José Macedo, PCA da Lactiangol Empresa  do  Ano  não-Financeira  disse-o alto e em bom som: “A Lactiangol é um sonho. No início, todos nos chamavam loucos. Como na música de Matias Damásio. É um sonho de teimosos. Um sonho de resilientes. Fazer a nossa Angola crescer.”

 

Gosta deste artigo? Partilhe!

Deixe o seu comentário

You must be logged in to post a comment.