Mercado

O agronegócio: Importância e particularidades (parte II)

15/01/2018 - 16:36, featured, Opinião

Não devemos confundir agro-negócio com agro-indústria

Por Fausto Simões
Professor titular da UAN e coordenador da Comissão Instaladora da Ordem dos Economistas

AGRO-NEGÓCIO E A AGRO-INDÚSTRIA

Como referimos na introdução do nosso artigo de opinião (parte I), a essência do agro-negócio engloba uma vasta cadeia produtiva.
O agro-negócio congrega as seguintes funções:
a) Suprimento à produção;
b) Produção;
c) Transformação;
d) Acondicionamento;
e) Armazenamento;
f)Distribuição/comercialização;
g) Consumo.

É necessário que não confundamos o termo agro–negócio com agro-indústria. A agro-indústria é parte integrante do agro-negócio, ou seja, “no agro-negócio, a agro-indústria é a unidade produtora integrante dos segmentos localizados nos níveis de suprimento à produção, transformação e acondicionamento e que processa o produto agrícola em primeira ou segunda transformação, para sua utilização intermediária ou final”. O agro-negócio envolve os agentes que produzem, processam e distribuem produtos alimenta res, as fibras e os produtos energéticos da actividade agro-pecuária. Nele actuam os fornecedores de produtos, os factores de produção, os produtores e os distribuidores.

Podemos distinguir três categorias de agentes intervenientes no agro-negócio:

a) Os operacionais, que engloba os produtores, os processadores e os distribuidores que manipulam e impulsionam os produtos;
b) Os geradores de energia, ou seja, o conjunto de empresas que fazem os suprimentos de produtos e factores da produção, os agentes financeiros e os centros de pesquisa e experimentação;

c) Os mecanismos coordenadores, como o governo, os contractos comerciais, os mercados, sindicatos e associações técnico-profissionais. Para melhor compreensão do conceito de agro-indústria, vejamos a figura abaixo, composta pelos cincos elementos básicos:
1 – Agricultura e pecuária;
2 – Indústrias agro-alimentares;
3 – Distribuição agrícola e alimentar;
4 – Comércio internacional;
5 –Consumidor.

Os cinco elementos do agro-negócio

O consumidor final assume-se como peça-chave em todo esse processo. A formação e a capacitação.Como referimos atrás, a formação desempenha um papel muito importante tanto no desenvolvimento agrário como, consequentemente, no agro–negócio.
Essa mesma formação deve capacitar os quadros com vista ao fomento de toda a cadeia produtiva. Para tal, devem ser gizados planos de formação numa visão estratégica de desenvolvimento.

Em Angola, o órgão reitor de toda a política agrária é o Ministério da Agricultura. No nosso entender, para além da formação técnico-profissional conduzida pela direcção de recursos humanos daquele órgão do Executivo angolano, deverão existir, nas suas atribuições, protocolos de cooperação com as universidades, para o fomento da I & D na matéria. Criada em meados da década de 60, até 2003 a Universidade Agostinho Neto era a única no País. Nesse período, criou-se a Faculdade de Ciências Agrárias na província do Huambo.

Nessa qualidade, foram desenvolvidos inúmeros projectos de investigação com o Instituto de Investigação Agronómica de Angola. A Universidade Agostinho Neto, na ocasião e ao longo de todo o espaço territorial, criou várias licenciaturas abarcando outras áreas de conhecimento afins, como são os casos da Silvicultura, Biologia, Medicina Veterinária e Agronomia. Angola possui oito regiões académicas e, actualmente, mais de 30 institutos superiores e universidades, de entre as quais, oito públicas.
Em matéria de formação e investigação agrária, algumas universidades públicas vêm-se destacando, com particular realce para as universidades Eduardo dos Santos e Agostinho Neto. Para um país com as características do nosso, é muito pouco. Temos um território enorme, com terras férteis e uma bacia hidrográfica invejável. A Universidade Agostinho Neto está enquadrada na região que engloba as províncias de Luanda e Bengo.

Nessa última província, deviam implementar-se a médio prazo as faculdades de Medicina Veterinária e Agronomia, na perspectiva de se aproveitar as suas potencialidades agrárias e ambientais. O objectivo seria graduar, pós-graduar e fomentar a pesquisa e o desenvolvimento. Luanda possui os seguintes institutos e centros de pesquisa no domínio agrário ou relacionados:

Gosta deste artigo? Partilhe!

Deixe o seu comentário

You must be logged in to post a comment.