Mercado

Aumentar investimento público tem mais vantagens do que baixar impostos

29/09/2017 - 09:32, Global Report

O FMI afirmou num relatório sobre os impactos transfronteiriços que aumentar o investimento público tem mais efeitos do que reduzir impostos.

Por Dinheiro Vivo | Lusa 

O Fundo Monetário Internacional (FMI) afirma, num relatório sobre os impactos transfronteiriços da política orçamental, que aumentar o investimento público tem efeitos de contágio noutros países mais benéficos do que reduzir impostos.

Num dos capítulos analíticos do ‘World Economic Outlook’ divulgado esta semana, o Fundo refere que, “apesar de a margem orçamental ser actualmente mais limitada”, os estímulos orçamentais nas grandes economias “podem ser importantes para aumentar a actividade económica noutras, ainda que não em todo o lado”.

A comparação apresentada pelo FMI para ilustrar esta situação é feita entre os Estados Unidos e a zona euro: o argumento é que, tendo em conta a posição cíclica da economia norte-americana e as condições de política monetária gradualmente menos acomodatícias, “um estímulo orçamental nos Estados Unidos provavelmente teria efeitos de contágio transfronteiriços relativamente modestos, em particular se esse estímulo fosse feito através de medidas fiscais”.

Por outro lado, na área do euro, “onde há margem orçamental em alguns países”, um estímulo orçamental “poderia ter maiores efeitos noutros países”, considerando as expectativas de manutenção da política monetária acomodatícia e do atraso ainda significativo em alguns países.

Outro aspecto apontado pela instituição liderada por Christine Lagarde é que o impacto de um estímulo orçamental nos desequilíbrios externos de outros países também depende da origem desse estímulo: é que “um estímulo nos Estados Unidos deverá aumentar estes desequilíbrios, ao passo que um estímulo em alguns países excedentários da área do euro pode reduzi-los”.

No caso da zona euro, por exemplo, os efeitos de contágio de uma política orçamental expansionista em países com margem para o fazer – “como um maior investimento público para aumentar o produto potencial na Alemanha” – nos parceiros comerciais com uma posição cíclica mais fraca “podem ser importantes”.

O FMI conclui assim que, de um modo geral, “a despesa em investimento público deverá produzir ganhos transfronteiriços maiores do que cortes nos impostos”.

Gosta deste artigo? Partilhe!

Deixe o seu comentário

You must be logged in to post a comment.