Mercado

Combustíveis, transportes e energia vão ficar mais caros em 2018

17/12/2017 - 12:56, featured, Markets

Os subsídios a preços nos sectores da energia, transportes vão ser reduzidos, mas as camadas mais pobres da população deverão ser protegidas do impacto desta medida

Os subsídios a preços nos sectores da energia, transportes vão ser reduzidos, mas as camadas mais pobres da população deverão ser protegidas do impacto desta medida, refere o Relatório de Fundamentação do Orçamento Geral do Estado para 2018 (OGE 2018), que preconiza um sistema de fixação automática dos preços dos combustíveis.

O documentão não quantifica o impacto da retirada dos subsídios a preços, mas refere que a sua redução “está prevista nas acções de política para a optimização do Sector Empresarial Público”, onde se menciona ainda a intenção de “redução efectiva da acção empresarial do Estado, criando unidades produtivas mais competitivas, através de um programa de ajustamento estrutural do tecido empresarial publico”.

O Governo vai proceder à “redução dos subsídios a preços nos sectores de energia, água e transportes (ferroviário, marítimo e terrestre), através da revisão das tarifas, adoptando uma abordagem de salvaguarda das camadas mais pobres da população”, lê se no Relatório, que não refere valores nem o método de protecção dos mais desfavorecidos.

O documentão não menciona de forma directa a liberalização total dos preços dos combustíveis, mas aponta para a “implementação de um mecanismo de definição automática dos preços da gasolina e gasóleo, de modo a evitar o ressurgimento das subvenções, através de uma definição clara e transparente da estrutura de preços”.

O Relatório diz ainda que haverá uma “redução do esforço do Tesouro junto das empresas públicas, através da revisão dos subsídios operacionais, no quadro de um programa de redimensionamento e reestruturação do sector empresarial público” e aponta para o “redimensionamento do sector empresarial público, dando grande enfoque a implementação de um programa de privatizações, em linha com a estratégia do Ministério da Economia e do Planeamento e envolvendo um esforço financeiro do Tesouro que seja o menor possível”.

Igualmente prevista está a “reestruturação das empresas estratégicas para o interesse do Estado”.

Gosta deste artigo? Partilhe!

Deixe o seu comentário

You must be logged in to post a comment.