Mercado

Grupo Fiat bate recorde em bolsa após recusar oferta de chineses

16/08/2017 - 09:52, Markets

Grupo italo-americano juntou-se a consórcio da BMW e Intel para desenvolvimento de carros autónomos.

Por Diogo Ferreira Nunes

As acções do grupo Fiat Chrysler (FCA) atingiram o valor mais alto de sempre na Bolsa italiana, após a recusa de uma oferta por um investidor chinês. O grupo liderado por Sergio Marchionne considerou que a proposta não a valorizava devidamente.

Os títulos da FCA, na sequência desta informação, negociaram nos 11,13 euros esta quarta-feira, o montante mais elevado de sempre. Segundo o jornal especializado Automotive News, há outros grupos automóveis chineses que poderão apresentar uma oferta pela empresa italo-americana controlada pela família Agnelli.

Responsáveis da FCA terão estado na semana passada na sede da Great Wall, uma das maiores fabricantes automóveis chinesas. Além da Great Wall, os grupos Dongfeng (parceiro do grupo Peugeot-Citröen), Geely (dono da unidade de automóveis ligeiros da Volvo) e Guangzhou (parceiro da Fiat na China) poderão estar interessados em apresentar uma oferta pela FCA. As empresas chinesas estão a ser pressionadas pelo governo local para crescerem no estrangeiro através da compra de fabricantes estrangeiras.

Uma eventual compra do grupo FCA poderá incluir todas as marcas, com excepção da Maserati e da Alfa Romeo, que poderão tornar-se independentes do grupo – como aconteceu com a Ferrari – para maximizar as receitas da Exor, holding da família Agnelli que controla o capital da Ferrari.
Parceria para carros autónomos

O grupo FCA anunciou esta quarta-feira que vai juntar-se ao consórcio para desenvolvimento de tecnologia para carros autónomos liderado pela BMW e a Intel.

A empresa italo-americana pretende apostar nas “economias de escala” que são “geradas quando as empresas juntam-se com uma visão e objectivos comuns”. Este consórcio foi criado em julho de 2016 e pretende integrar o hardware, software e protocolos comuns para os carros autónomos. Os primeiros testes deverão começar até final de 2017 e envolver 40 veículos.

Conta também como membros como as fornecedoras Delphi e Continental, além dos israelitas da Mobileye. Em 2016, a Alphabet (dona da Google) assumiu o programa de condução autónoma do grupo Fiat. Através da empresa Waymo, o grupo Alphabet transformou 100 monovolumes Chrysler Pacifica Hybrid, do grupo Fiat, em automóveis autónomos graças à instalação de sensores, computadores e novos sistemas Os fabricantes automóveis estão a apostar no desenvolvimento de tecnologia para condução autónoma através de programas próprios. É o caso do grupo Daimler (dono da Mercedes), que está a trabalhar com a Bosch; da Ford, da General Motors, da Tesla e da General Motors.

Dinheiro Vivo 

Gosta deste artigo? Partilhe!

Deixe o seu comentário

You must be logged in to post a comment.